Tijolaço: Temer quer levar desmonte da Petrobras às refinarias

"Com zero de legitimidade, 3% de aprovação e a menos de um ano da eleição presidencial, o Governo Michel Temer quer ir além do que fez o próprio Fernando Henrique Cardo foi em matéria de venda da Petrobras. Em O Globo, Bruno Rosa e Ramona Ordoñes noticiam que o comando da empresa está definindo como será a venda de parte de seis das 14 refinarias da empresa, que somam o refino de 1,235 milhão de barris diários de petróleo, mais da metade da capacidade nacional de processar o petróleo bruto", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "Refino de petróleo, como construção de hidroelétricas é negócio de baixa rentabilidade e retorno demorado"

"Com zero de legitimidade, 3% de aprovação e a menos de um ano da eleição presidencial, o Governo Michel Temer quer ir além do que fez o próprio Fernando Henrique Cardo foi em matéria de venda da Petrobras. Em O Globo, Bruno Rosa e Ramona Ordoñes noticiam que o comando da empresa está definindo como será a venda de parte de seis das 14 refinarias da empresa, que somam o refino de 1,235 milhão de barris diários de petróleo, mais da metade da capacidade nacional de processar o petróleo bruto", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "Refino de petróleo, como construção de hidroelétricas é negócio de baixa rentabilidade e retorno demorado"
"Com zero de legitimidade, 3% de aprovação e a menos de um ano da eleição presidencial, o Governo Michel Temer quer ir além do que fez o próprio Fernando Henrique Cardo foi em matéria de venda da Petrobras. Em O Globo, Bruno Rosa e Ramona Ordoñes noticiam que o comando da empresa está definindo como será a venda de parte de seis das 14 refinarias da empresa, que somam o refino de 1,235 milhão de barris diários de petróleo, mais da metade da capacidade nacional de processar o petróleo bruto", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "Refino de petróleo, como construção de hidroelétricas é negócio de baixa rentabilidade e retorno demorado" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Com zero de legitimidade, 3% de aprovação e a menos de um ano da eleição presidencial, o Governo Michel Temer quer ir além do que fez o próprio Fernando Henrique Cardo foi em matéria de venda da Petrobras. Hoje, em O Globo, Bruno Rosa e Ramona Ordoñes noticiam que o comando da empresa está definindo como será  a venda de parte de seis das 14 refinarias da empresa, que somam o refino de 1,235 milhão de barris diários de petróleo, mais da metade da capacidade nacional de processar o petróleo bruto.

Refino de petróleo, como construção de hidroelétricas é negócio de baixa rentabilidade e retorno demorado. Nunca fez parte do monopólio nacional sobre o petróleo e foram, ao longo da história, pouquíssimos – quase nenhum, a rigor, exceto da de  Manguinhos – os casos onde capitais privados se interessaram por construir plantas industriais com este fim.

Mas eles, claro, querem comprar a preço de banana o que foi construído e modernizado – há refinarias com 70 anos de funcionamento, quase – com o dinheiro da Petrobras. Fazer novas refinarias, como é necessário para um país que pretenda se desenvolver, não querem. O Brasil, aliás, passou 20 anos sem obras de porte no setor, exceto por uma de pequeno porte, no Rio Grande do Norte, que leva o nome da líder indígena Clara Camarão.

É evidente que os investidores que se aventurarem – porque é uma aventura se meterem num negócio destes ao final de um governo ilegítimo – só vão se interessar pelo negócio se lhes for dada a garantia de que a política de preços continuar a repassar, imediatamente, as variações de preço para maior do petróleo no mercado mundial.

O que, desde julho, já nos deu um aumento de mais de 16% no preço do combustível, o último deles na sexta-feira, quando o preço médio do combustível passou de R$ 4 por litro e, em estados distantes como o Acre, já ronda os R$ 5/litro.

Sem que se veja, claro, os “movimentos espontâneos” de caminhoneiros bloqueando estradas.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247