Tuiuti: sem fantasia, o samba que já entrou na História

"O samba e o desfile da Paraíso do Tuiuti - vencedores  sem contestação na preferência popular mas, provavelmente, nada além disso nos “júris” oficiais – são destes que serão lembrados anos a fio, por tudo o que têm de qualidade poética, crítica social e humor político dos mais ácidos", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "Que cantam, sem fantasia, o que é pura realidade e tanta gente só enxerga e sente na Passarela"

"O samba e o desfile da Paraíso do Tuiuti - vencedores  sem contestação na preferência popular mas, provavelmente, nada além disso nos “júris” oficiais – são destes que serão lembrados anos a fio, por tudo o que têm de qualidade poética, crítica social e humor político dos mais ácidos", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "Que cantam, sem fantasia, o que é pura realidade e tanta gente só enxerga e sente na Passarela"
"O samba e o desfile da Paraíso do Tuiuti - vencedores  sem contestação na preferência popular mas, provavelmente, nada além disso nos “júris” oficiais – são destes que serão lembrados anos a fio, por tudo o que têm de qualidade poética, crítica social e humor político dos mais ácidos", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "Que cantam, sem fantasia, o que é pura realidade e tanta gente só enxerga e sente na Passarela" (Foto: Leonardo Lucena)

Por Fernando Brito, Tijolaço - Há sambas que, ganhando ou mais frequentemente não vencendo o concurso oficial do desfile das escolas de samba no Rio, a gente sabe, ao ouvir, que entraram para a História. como fez o inesquecível “Canudos” da União da Ilha, em 1976.

São aqueles que conseguem arrancar de nós as memórias atávicas, as histórias que nos escondem, os orgulhos que sobrevivem.

O samba e o desfile da Paraíso do Tuiuti - vencedores  sem contestação na preferência popular mas, provavelmente, nada além disso nos “júris” oficiais – são destes que serão lembrados anos a fio, por tudo o que têm de qualidade poética, crítica social e humor político dos mais ácidos.

Uma maravilha que me manda o amigo Celso Vicenzi, como a lembrar o que pode ser o carnaval sem megapatrocínios, tapetes e astronautas voadores, que reproduzo abaixo, sem a solenidade do desfile, sem as roupas e  adereços brilhantes, mas com os homens e mulheres da vida real.

Que cantam, sem fantasia, o que é pura realidade e tanta gente só enxerga e sente na Passarela.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247