‘Vaza Jato mostrou a corrupção daqueles que diziam combater a corrupção’, diz Letícia Duarte

Para a autora do livro “Vaza Jato”, a Lava Jato foi uma “ação de brasileiros em nome de seus próprios interesses ou de convicções do que se imaginava que o Brasil deveria ser. Brasileiros contra brasileiros”. Assista na TV 247

www.brasil247.com - Letícia Duarte
Letícia Duarte (Foto: Divulgação)


247 - Autora do livro “Vaza Jato”, que conta os bastidores por trás da publicação de uma das mais importantes séries de reportagens publicadas no Brasil nos últimos anos, Letícia Duarte disse à TV 247 que o trabalho jornalístico do The Intercept Brasil neste caso evidenciou as práticas corruptas do ex-juiz Sergio Moro e dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato que tanto pregavam o discurso contra a corrupção.

Para a jornalista, é notório que “havia interesses econômicos” por parte dos agentes da Lava Jato. “Quando se endeusa muito ou pessoas são empoderadas porque acham que estão acima do bem e do mal, entra essa cruzada de ‘eu estou fazendo uma coisa tão boa que eu posso ganhar alguma recompensa por isso’, e acho que a imprensa falhou em não investigar. Vale para o caso da Lava Jato mas vale para qualquer autoridade. Tudo merece ser investigado. Todos os rótulos são perigosos, os interesses estão sempre ali”.

De acordo com a autora, não se pode negar também a influência dos Estados Unidos no processo, que promoveu inclusive a perseguição contra o ex-presidente Lula. Mas, para Letícia, o pior aspecto da força-tarefa, e que foi revelado pela Vaza Jato, é observar que o grupo era formado por brasileiros que agiam por conta própria e por interesses singulares, ou seja, eram brasileiros agindo contra o Brasil. “Acho que a gente historicamente, e com razões, pinta os Estados Unidos como o malvado tentando influenciar na América Latina, e acho que muitas vezes os Estados Unidos fizeram esse papel. Mas cada vez mais no caso da Lava Jato, para mim, o que dói mais é ver brasileiros contra brasileiros, operação nascida e comandada por brasileiros com seus próprios interesses, em nome dos seus interesses. Não acho que o Sergio Moro estava pensando nos Estados Unidos quando decidiu ser ministro do Bolsonaro ou quando decidiu que tinha que prender o Lula. Tem questões que são tipicamente brasileiras ali. Foi ação de brasileiros em nome de seus próprios interesses ou de convicções do que se imaginava que o Brasil deveria ser. Para mim isso é muito mais relevante”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email