Veja comemora o fruto da Lava Jato: a venda do Brasil

Revista comemora como “grande notícia” o pacotaço de vendas em seu editorial da revista, "estranhamente antecipada" nesta semana, comenta o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "O melhor desdobramento da LavaJato, o mais alvissareiro no terreno do combate à corrupção, veio de onde ninguém esperava: o anúncio da privatização da Eletrobras", diz o texto de Veja

Revista comemora como “grande notícia” o pacotaço de vendas em seu editorial da revista, "estranhamente antecipada" nesta semana, comenta o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "O melhor desdobramento da LavaJato, o mais alvissareiro no terreno do combate à corrupção, veio de onde ninguém esperava: o anúncio da privatização da Eletrobras", diz o texto de Veja
Revista comemora como “grande notícia” o pacotaço de vendas em seu editorial da revista, "estranhamente antecipada" nesta semana, comenta o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "O melhor desdobramento da LavaJato, o mais alvissareiro no terreno do combate à corrupção, veio de onde ninguém esperava: o anúncio da privatização da Eletrobras", diz o texto de Veja (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Se alguém tem alguma dúvida de que a finalidade oculta da Lava Jato ia muito além de apanhar alguns ratos dentro de empresas estatais – e ratos, empresas públicas e privadas, assim como instituições sempre os tiveram – vai perdê-la ao ver a edição da Veja desta semana (aliás, estranhamente antecipada).

Ao fazer um balanço da operação, a revista solta foguetes em seu editorial:

“o melhor desdobramento da LavaJato, o mais alvissareiro no terreno do combate à corrupção, veio de onde ninguém esperava: o anúncio da privatização da Eletrobras, a maior empresa de energia elétrica da América Latina e sócia de mamutes hidrelétricos, que vão da velha usina de Itaipu à nova usina de Belo Monte. Sim, o anúncio de uma privatização está entre as medidas mais eficazes que se podem tomar para vencer a corrupção no Brasil. E o motivo é simples:o gigantismo do Estado brasileiro, com seus braços públicos por toda parte, serve como um convite onipresente à corrupção. 

A revista comemora como “grande notícia” o pacotaço de vendas. Todas, claro, feitas na mais santa integridade numa processo que é comandado por ninguém menos que…Wellington Moreira Franco! Um homem de deixar o notório Ricardo Sérgio muito aquém do “limite da responsabilidade”.

Bancos e fundos estrangeiros, além dos chineses, se fartarão, com as devidas orações aos rapazes de Curitiba – que a revista saúda como autores intelectuais – e a Michel temer, o executor de uma lesão histórica ao país.

Graças à histeria da lava Jato, o Brasil não será mais roubado em centenas de milhões.

Será roubado em centenas de bilhões, trilhões, até.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247