Vídeo que denuncia uso da mulher na publicidade é um dos mais vistos de 2016

Um dos vídeos que mais viralizou, em 2016, com mais de dois milhões de visualizações só no Brasil, mostra o uso indiscriminado da mulher na publicidade; assista

Um dos vídeos que mais viralizou, em 2016, com mais de dois milhões de visualizações só no Brasil, mostra o uso indiscriminado da mulher na publicidade; assista
Um dos vídeos que mais viralizou, em 2016, com mais de dois milhões de visualizações só no Brasil, mostra o uso indiscriminado da mulher na publicidade; assista (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum, com informações do Fórum Econômico Mundial - Um dos vídeos que mais viralizou, em 2016, com mais de dois milhões de visualizações só no Brasil, mostra o uso indiscriminado da mulher na publicidade. O filme faz parte da campanha #WomenNotObjects, e foi criado por Madonna Badger, executiva de publicidade.

Ao falar para o Wall Street Journal, Badger conta que já trabalhou em empresas duvidosas, que exploram o corpo da mulher, como a Calvin Klein. Depois de perder suas três filhas em um incêndio em casa, ela começou a demonstrar o impacto prejudicial que esses anúncios podem ter em meninas e mulheres.

Há uma ampla pesquisa para apoiar sua cruzada. Em 2007, a American Psychological Association concluiu que o uso sexual das mulheres em revistas, filmes, programas de TV e sites está ligada a problemas de saúde mental, distúrbios alimentares, baixa auto-estima e depressão em meninas e mulheres. "As consequências do uso indiscriminado da sexualidade das meninas na mídia hoje são muito reais e, provavelmente, serão uma influência negativa sobre o desenvolvimento saudável das meninas", disse na época o chefe da força-tarefa da APA.

Relembre o vídeo, que foi publicado em janeiro deste ano:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email