YouTube remove vídeo de fundação do Itamaraty que promove fake news sobre o uso de máscara

O YouTube removeu de sua plataforma um vídeo da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), órgão ligado ao Ministério de Relações Exteriores, por violar os termos da plataforma. Nele, o palestrante Carlos Ferraz dizia, sem apresentar evidências científicas, que máscaras fazem mal à saúde de pessoas saudáveis

(Foto: Agência Brasil | Reprodução | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O YouTube removeu de sua plataforma um vídeo da Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), órgão ligado ao Ministério de Relações Exteriores, por violar os termos da plataforma. De acordo com a empresa, o vídeo "A nocividade do uso de máscaras" foi avaliado como passível "de causar danos físicos graves ou morte". 

"O YouTube tem políticas claras sobre o tipo de conteúdo que pode estar na plataforma e não permite vídeos que incentivam atividades que possam causar danos físicos graves ou morte", informou a plataforma por meio de nota. O relato foi publicado em reportagem de Carolina Marins, no portal Uol. 

Os posicionamentos sobre os cuidados da população nesta pandemia faziam parte do seminário virtual "A conjuntura internacional no pós-coronavírus" exibido no dia 3 de setembro. Nele, o palestrante Carlos Ferraz dizia, sem apresentar evidências científicas, que máscaras fazem mal à saúde de pessoas saudáveis. 

"A máscara não só é inócua no combate à pandemia, mas é também nociva, causa problemas de saúde", dizia o palestrante que é professor da Universidade Federal de Pelotas. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247