53% dos norte-americanos desaprovam política de Trump com relação ao Irã, diz pesquisa

A pesquisa nos Estados Unidos constatou que 53% dos norte-amerianos desaprovam o tratamento de Trump com relação ao Irã, o que representa um aumento de cerca de 9 pontos percentuais em relação a pesquisa anterior

Manifestantes se reúnem na Times Square, em Nova York, em protesto contra ataque dos EUA ao Irã
Manifestantes se reúnem na Times Square, em Nova York, em protesto contra ataque dos EUA ao Irã (Foto: Eduardo Munoz/Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - Os norte-americanos estão cada vez mais críticos em relação à forma como o presidente dos EUA, Donald Trump, está tratando a questão do Irã, depois de ter determinado a morte de um comandante militar iraniano, e a maioria dos adultos do país espera agora uma guerra em um futuro próximo entre as duas nações, segundo pesquisa Reuters/Ipsos divulgada na terça-feira.

A pesquisa de opinião feita nos Estados Unidos constatou que 53% dos adultos nos EUA desaprovam o tratamento de Trump com relação ao Irã, o que representa um aumento de cerca de 9 pontos percentuais em relação a uma pesquisa semelhante realizada em meados de dezembro. 

O número de adultos que “desaprova veementemente” as ações de Trump no Irã —39%— aumentou 10 pontos percentuais em relação à pesquisa de dezembro.

A resposta ficou dividida entre partidos, com desaprovação maior em relação ao mês passado entre democratas e independentes, embora não tenha mudado entre os republicanos.

Cerca de 9 em cada 10 democratas e 5 em cada 10 independentes desaprovam as ações de Trump no Irã. Entre os republicanos, 1 em cada 10 desaprova. Um em cada 10 democratas, 4 em cada 10 independentes e 8 em cada 10 republicanos aprovam o tratamento dado por Trump ao Irã.

A pesquisa foi realizada de 6 a 7 de janeiro, logo após Trump ordenar o ataque com drones no Iraque que atingiu o comandante iraniano Qassem Soleimani e aumentou as tensões na região. O Parlamento do Iraque pediu a retirada das tropas norte-americanas do país, e no Irã populares em luto se aglomeravam nas ruas, gritando “Morte à América!”

Trump, que afirmou que Soleimani estava planejando atacar norte-americanos, argumentou que o ataque teve como objetivo evitar uma guerra com o Irã. O presidente ameaçou atacar sítios culturais iranianos se o Irã retaliar.

Segundo a pesquisa, a popularidade geral de Trump permaneceu estável após o ataque que resultou na morte de Soleimani, com 41% de aprovação de seu desempenho no cargo e 54% de desaprovação.

Os norte-americanos também pareciam estar muito mais preocupados agora com o risco de uma guerra com o Irã.

Uma pesquisa separada da Reuters/Ipsos, realizada de 3 a 6 de janeiro, constatou que 41% dos entrevistados consideram o Irã uma "ameaça iminente" para os Estados Unidos, 17 pontos acima de uma pesquisa semelhante realizada em maio de 2019. ( tmsnrt.rs/35xJUDA)

A sondagem também mostrou que 71% dos norte-americanos acreditam que os EUA entrarão em guerra com o Irã nos próximos anos, 20 pontos acima da pesquisa de maio.

Uma minoria crescente de norte-americanos diz que agora é a favor de um “ataque preventivo” a militares do Irã. A pesquisa constatou ainda que 27% disseram que os Estados Unidos deveriam atacar primeiro, um aumento de 15 pontos percentuais em relação a maio. Outros 41% disseram que os Estados Unidos não deveriam atacar primeiro e 33% disseram que não sabem.

A pesquisa Reuters/Ipsos foi realizada online, em inglês, nos EUA e compilou respostas de 1.108 adultos na pesquisa de 6 a 7 de janeiro e 1.005 adultos na pesquisa de 3 a 6 de janeiro. Os resultados têm um intervalo de credibilidade —uma medida de precisão— de cerca de 4 pontos percentuais.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247