CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

A quatro dias das eleições, tensão aumenta no Egito

Generais pediram desculpas pblicas pelas mortes de civis nos confrontos da praa Tahrir

A quatro dias das eleições, tensão aumenta no Egito (Foto: GORAN TOMASEVIC/REUTERS)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Agência Brasil - A quatro dias das eleições no Egito, o clima de tensão e revolta aumentou nas principais cidades do país, incluindo a capital, Cairo. Desde o dia 19, manifestantes ocupam a Praça Tahrir, na capital, símbolo da resistência, e exigem o fim do governo do Conselho Supremo das Forças Armadas, comandado pelo marechal Mohamed Hussein Tantawi. Pelo menos 33 morreram e 2 mil ficaram feridas nos confrontos entre policiais e manifestantes.

Em pronunciamento na TV, dois dos generais que comandam o país pediram desculpas à população pelas mortes de civis nos confrontos. Foi a primeira vez desde o início dos protestos, no sábado (19), que integrantes da junta militar se desculpam pela violência usada na repressão dos protestos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mas nas ruas, a população mantém a desconfiança em relação aos militares. Para os manifestantes, a Junta Militar mantém vínculos com o antigo governo do ex-presidente Hosni Mubarak – que renunciou em 11 de março deste ano sendo substituído pelos militares. Em cafés e restaurantes, há informações de que os militares manterão o domínio sobre o país, mesmo após a eleição de um governo civil.

No centro do Cairo, o comerciante Hashem Saad vende máscaras para manifestantes que se dirigem à Praça Tahrir. Segundo ele, as máscaras atendem a várias expectativas. "Se vocês querem apenas acompanhar as manifestações, tenho máscaras baratas. Mas se querem ir combater a polícia, tenho um tipo de melhor qualidade", disse ele.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Em bairros mais afastados do centro do Cairo, como Zamalek, Dokki e Mohandisen, a vida segue normal. A impressão é que as pessoas não se interessam pelo que ocorre na Praça Tahrir, símbolo da revolução que derrubou Mubarak. Mas nas conversas em cafés e restaurantes, o assunto é o futuro político do país e os confrontos entre manifestantes e policiais.

O advogado Mohamed El Bakri disse que a diferença desta "nova revolução" em relação à anterior é que os egípcios ficaram mais experientes. "Na outra [a de fevereiro que levou à renúncia de Mubarak], o país parou porque a população ficou incrédula, não sabia o que fazer e como lidar com as adversidades quando o Egito parou por conta de protestos, confrontos e mortes. Muitos se sentiram incomodados porque a vida não corria normalmente."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO