Acusadora de Kavanaugh estabelece condições para prestar depoimento

Uma advogada da mulher que acusa Brett Kavanaugh (foto), indicado do presidente Donald Trump à Suprema Corte dos Estados Unidos, de abuso sexual disse que a professora está disposta a prestar depoimento na próxima semana se o Senado fornecer "condições justas e que garantam sua segurança", segundo email visto nesta quinta-feira (20)

Acusadora de Kavanaugh estabelece condições para prestar depoimento
Acusadora de Kavanaugh estabelece condições para prestar depoimento

247, com Reuters - Uma advogada da mulher que acusa Brett Kavanaugh (foto), indicado do presidente Donald Trump à Suprema Corte dos Estados Unidos, de abuso sexual disse que a professora está disposta a prestar depoimento na próxima semana se o Senado fornecer "condições justas e que garantam sua segurança", segundo email visto nesta quinta-feira (20).

Christine Blasey Ford, professora de psicologia na Universidade de Palo Alto, na Califórnia, recebeu o prazo de sexta-feira (21) para decidir se irá testemunhar em audiência do Comitê de Justiça do Senado, marcada para segunda-feira (24), como querem os republicanos, o que ela descartou, embora tenha admitido falar em outra ocasião.

O email da advogada de Ford, Debra Katz, foi fornecido por um assessor do Senado. No texto, Katz disse a membros da equipe do comitê que ela gostaria de uma reunião para discutir as condições sob as quais Ford estaria preparada para prestar depoimento na semana que vem.

"Como vocês estão cientes, ela está recebendo ameaças de morte, que foram relatadas ao FBI, e ela e sua família foram forçadas a sair de casa. Ela deseja testemunhar, desde que possamos concordar com condições justas e que garantam sua segurança", escreveu Katz.

"Uma audiência na segunda-feira não é possível e a insistência do Comitê para que isto ocorra é arbitrária em qualquer caso", disse Katz no email.

Kavanaugh, juiz federal conservador da corte de apelações indicado por Trump em julho para o cargo vitalício como juiz da Suprema Corte, também foi convidado a testemunhar na segunda-feira.

Ford disse ter sido abusada sexualmente por Kavanaugh em 1982 quando ambos eram alunos do ensino médio em Maryland. Kavanaugh disseque a acusação é "completamente falsa".

O presidente do comitê, o republicano Chuck Grassley, enviou na quarta-feira (19) uma carta para os advogados de Ford dando a ela até 10h de sexta-feira para enviar um testemunho preparado caso tivesse intenção de se apresentar na segunda-feira.

Advogados de Ford haviam dito na terça-feira que ela iria testemunhar perante o comitê somente se o FBI investigasse primeiro sua acusação. O FBI disse não estar investigando, uma decisão apoiada pelos republicanos.

No novo email, a advogada disse: "a dra. Ford me pediu para deixar vocês saberem que ela aprecia as várias opções que vocês sugeriram. Sua forte preferência continua sendo que o Comitê Jde Justiça do Senado permita uma investigação completa antes de seu testemunho".

A luta pela confirmação de Kavanaugh se desenvolve poucas semanas antes da eleição congressual de 6 de novembro, na qual os democratas buscam assumir o controle do Congresso, hoje nas mãos dos republicanos. A confirmação de Kavanaugh irá reforçar o controle conservador da Suprema Corte e o objetivo mais amplo de Trump de levar a Suprema Corte e o judiciário federal à direita.

O Senado é controlado por pequena margem por republicanos, que abraçaram a ideia de uma votação rápida sobre a indicação de Kavanaugh se Ford não prestar depoimento.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247