'Ajuda humanitária' é provocação para gerar mudança de regime, diz Celso Amorim

"A ajuda tem um sentido provocativo, de forçar uma situação paramilitar que leve a uma mudança de regime", disse o embaixador Celso Amorim

www.brasil247.com - 'Ajuda humanitária' é provocação para gerar mudança de regime, diz Celso Amorim
'Ajuda humanitária' é provocação para gerar mudança de regime, diz Celso Amorim


Da Rede Brasil Atual A ajuda humanitária dos Estados Unidos para a Venezuela é uma provocação para intervir no país sul-americano e forçar a queda de Nicolás Maduro, observou nesta sexta-feira (22), o ex-chanceler Celso Amorim. "A ajuda tem um sentido provocativo, de forçar uma situação paramilitar que leve a uma mudança de regime", disse em vídeo no site Nocaute.

O governo de Jair Bolsonaro apoia a missão de ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos. "Comunico que o envio de ajuda humanitária aos venezuelanos está mantido. O Brasil inteiro mobilizou-se de forma ágil e até o fim do dia, cerca de 200 toneladas de alimentos e medicamentos chegam em Boa Vista-Roraima", afirmou Bolsonaro em sua página no Twitter ontem.

Celso Amorim comentou que essa ajuda humanitária deveria ser imparcial e não para apoiar o líder da oposição. A ajuda chegou por Roraima com anuência do governo Brasileiro. E teria de ser negociada por meio da ONU, ou da Cruz Vermelha, segundo o ex-chanceler.

O governo de Donald Trump nos Estados Unidos tem se empenhado na mudança do regime e Amorim considera essa postura "algo muito grave". O líder de oposição na Venezuela, que se autoproclamou governo, Juan Guaidó, "não tem legitimidade, não foi eleito, mesmo que esteja dizendo que vai convocar eleições".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ação do Brasil para facilitar a atuação dos Estados Unidos contra o governo de Maduro nega a própria história do país, de sua diplomacia, de não se envolver em conflitos e de respeitar a soberania de seus vizinhos. Por isso, Amorim defende a não-intervenção na Venezuela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Estamos legitimando algo que não é verdadeiro em si, não se trata de ajuda humanitária, mas trata-se de ajuda para beneficiar uma facção", diz.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O deputado federal (PSL-SP) Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Bolsonaro, no Twitter no início da madrugada deste sábado tentou acirrar os ânimos em relação ao país vizinho, defendendo claramente a intervenção. "O sistema cubano é um parasita que suga outros países. Não podemos permitir que a Venezuela se torne uma nova Cuba trazendo problemas para a região como a fome e a ação livre de grupos terroristas/narcos. Achar que o problema da Venezuela é só dos venezuelanos é não enxergar um palmo adiante".

O clima de instabilidade no país deve se acirrar neste fim de semana, com os boatos espalhados pela oposição, e também porque neste domingo (24) começará a ser realizada a Assembleia Internacional dos Povos, que vai reunir cerca de 1,5 mil representantes de movimentos populares de diversas regiões do mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email