Após se encontrar com Netanyahu, Elon Musk recusa convite do Hamas para visitar Gaza

Em uma publicação na rede social X, o bilionário expressou preocupação com a segurança da visita

Elon Musk
Elon Musk (Foto: REUTERS/Adrees Latif)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Sputnik Brasil - O empresário americano Elon Musk recusou convite do movimento palestino Hamas para visitar a Faixa de Gaza. A região vive escalada nos conflitos com Israel — onde Musk está, desde segunda-feira (27).

Em uma publicação na rede social X, o bilionário expressou preocupação com a segurança da visita, afirmando: "Parece um pouco perigoso agora. Mas acredito que a prosperidade de Gaza a longo prazo beneficiará todas as partes."

continua após o anúncio

O convite foi feito durante a visita de Musk ao território israelense, onde ele estava acompanhado pelo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu. A viagem tinha como objetivo mostrar a Musk as consequências do ataque do Hamas aos assentamentos do sul em 7 de outubro, que mataram mais de 1,4 mil pessoas.

Neste contexto, um representante do Hamas aproveitou a oportunidade para convidar o empresário a visitar Gaza, onde mais de 14 mil palestinos morreram pelas Forças de Defesa de Israel (FDI).

continua após o anúncio

GUERRA ENTRE ISRAEL E HAMAS - A tensão na região persiste e, na segunda-feira (27), Hamas e Israel concordaram, com mediação do Catar e Egito, em estender por mais dois dias a trégua humanitária de quatro dias.

A pausa visa liberar reféns israelenses detidos em Gaza, permanecendo válida até a manhã de 30 de novembro. Egito, Catar, Estados Unidos e Israel discutem a possibilidade de continuar a trégua.

continua após o anúncio

Diferentes autoridades ao redor do mundo, incluindo o presidente russo, Vladimir Putin, defendem que as partes cessem as hostilidades e que seja feita a resolução da crise do Oriente Médio por meio dos "dois Estados", aprovados pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em 1947, a entidade definiu que os estados de Israel e Palestina seriam criados, mas apenas o primeiro se concretizou.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247