Assad denuncia presença de milhares de militares dos EUA na Síria

O presidente sírio denunciou que embora os EUA tenham anunciado a retirada de suas tropas do país, milhares de combatentes norte-americanos ou a seu serviço continuam presentes no território do país árabe, com o pretexto de defender os campos de petróleo

Bachar Assad, presidente da Síria
Bachar Assad, presidente da Síria (Foto: Sputnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Telesur - O presidente da Síria, Bashar al Assad, denunciou neste domingo (15) que existem milhares de militares dos EUA em seu território, incluindo funcionários de empresas militares privadas. 

Durante uma entrevista ao canal de televisão chinês Phoenix, citado pela agência síria SANA, Al Assad lembrou que, embora os EUA tenham anunciado que retirariam suas tropas do país, depois decidiram manter parte delas para supostamente defender os campos de petróleo.  

Para o presidente sírio, esse comportamento confirma que a política de Washington é governada por lobbies.  "A política dos EUA não depende dos princípios, mas dos interesses das empresas; e se os interesses delas consistem em ocupar e roubar os campos de petróleo sírios, o governo fará isto, mesmo que a atitude seja contrária ao Direito Internacional e até mesmo a leis dos EUA ", disse o presidente sírio.   

Assad confirmou que "em suas guerras os EUA não dependem apenas de seus soldados, mas de empresas privadas como a Blackwater; e talvez eles tenham milhares de combatentes na Síria", acrescentando que existem vários no território do país e milhares de civis "que trabalham para essas empresas e combatem na Síria".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247