Até o Talibã chama Israel de "criminoso de guerra" por bombardeios em Gaza

O governo liderado pelo Talibã do Afeganistão instou as Nações Unidas e as organizações internacionais de direitos humanos a adotarem uma posição "honesta, transparente e justa"

Abdul Qahar Balkhi
Abdul Qahar Balkhi (Foto: Reprodução/YouTube)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

(Sputnik) - O governo afegão nomeado pelo Talibã (sob sanções da ONU por terrorismo) considera oficiais militares israelenses envolvidos na operação na Faixa de Gaza como "criminosos de guerra" e considera suas ações como "violação flagrante de todas as leis da guerra", disse o porta-voz do ministério das Relações Exteriores do Talibã, Abdul Qahar Balkhi, na quinta-feira.

"O [Emirado Islâmico do Afeganistão] condena novamente a brutalidade dos colonizadores israelenses contra o povo indefeso de Gaza nos termos mais fortes, considera seus oficiais criminosos de guerra e considera suas ações em Gaza como violação flagrante de todas as leis da guerra e crimes de guerra", escreveu Balkhi no X.

continua após o anúncio

O governo liderado pelo Talibã do Afeganistão insta as Nações Unidas e as organizações internacionais de direitos humanos a adotarem uma posição "honesta, transparente e justa" em relação aos crimes contra a humanidade cometidos por Israel em Gaza, acrescentou o porta-voz. Ele também chamou a comunidade internacional a interferir e pôr fim à violência na Faixa de Gaza.

"A posição dúplice atual dos governos e organizações ocidentais reforçará ainda mais a crença de que os direitos humanos são uma tática de guerra utilizada para promover fins políticos", disse o porta-voz.

continua após o anúncio

Em 7 de outubro, o grupo palestino Hamas lançou um ataque surpresa em larga escala com foguetes contra Israel a partir da Faixa de Gaza e violou a fronteira, matando e sequestrando pessoas em comunidades israelenses vizinhas. Israel lançou ataques retaliatórios e ordenou um bloqueio completo da Faixa de Gaza, cortando o fornecimento de água, comida e combustível. Em 27 de outubro, Israel lançou uma grande incursão terrestre dentro da Faixa de Gaza com o objetivo declarado de eliminar combatentes do Hamas e resgatar os reféns.

O conflito resultou na morte de cerca de 1,200 pessoas em Israel e mais de 11,500 na Faixa de Gaza.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247