Biden celebra 1º ano de mandato e historiadora alerta: há risco real de guerra civil nos EUA

A jornalista Lúcia Guimarães, correspondente nos EUA, escreve sobre novo livro de Barbara F Walter: “Como uma Guerra Civil começa”

www.brasil247.com -


247 – “Como seria uma guerra civil em solo americano neste século 21? Essa pergunta faz sentido? O assunto não é simples, mas as respostas são assustadoras e podem ser encontradas em um livro lançado neste mês”, escreve provocativamente a jornalista Lúcia Guimarães em sua coluna no jornal Folha de S Paulo nesta 5ª feira. E prossegue: “A historiadora Barbara F. Walter estuda guerras civis no mundo há mais de 30 anos. Nunca se debruçou sobre a instabilidade política nos EUA. Até recentemente, seu país era o primeiro nas listas de democracias mais antigas do mundo. Não é mais, especialmente depois da tentativa de golpe de Estado com a invasão do Capitólio.”

Em 2018, a historiadora americana, professora da Universidade da Califéornia, iniciou a coleta de material e os estudos para o livro "How Civil Wars Start: And How to Stop Them" (como as guerras civis começam: e como detê-las)”. Barbara Walter havia sido recrutada pela CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA, órgão de Estado) com a missão específica de “não estudar os Estados Unidos”. O objetivo seria analisar outras Nações que teriam a Democracia em risco. 

Contudo, “A experiência convenceu a historiadora, bem antes do 6 de Janeiro, de que seu país já tinha avançado para o segundo estágio considerado propício a uma guerra civil. Os estágios podem ser encontrados online, já que a CIA publicou a atualização de seu Guia da Insurgência”, diz a brasileira Lúcia Guimarães em seu texto sobre o livro lançado este mês nos EUA e ainda sem data de chegar ao Brasil (disponível por e-book em inglês na plataforma Amazon).Segundo Walter, “o primeiro estágio (de uma guerra civil) é organizacional —extremistas se reúnem em torno de causas—, e a eleição de Barack Obama, em 2008, foi uma bonança para a formação de milícias brancas”. A partir daí, a historiadora elenca uma sucessão assustadora e progressiva de fatos que terminaram por ocorrer nos Estados Unidos: “No segundo (estágio), grupos começam a se armar, e episódios de violência são tratados pelo governo como incidentes isolados. O ataque ao Capitólio fez alguns analistas americanos especularem se o país já tinha passado para o terceiro estágio, o da insurreição aberta”. Para Barbara Walter, de acordo com o texto de Lúcia Guimarães, “ainda não chegamos lá”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Historiadora alerta para risco de “anocracia”. Bolsonaro tentou isso aqui

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por fim, em seu livro, a professora da Universidade da Califórnia alerta para o estabelecimento da “anocracia”. Ou, o estado de “não-governo” ou de Estado autocrático em formação (como Jair Bolsonaro, descaradamente, tentou fazer com o Brasil em episódios determinados. O último deles, o 7 de setembro de 2021). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ela alerta para duas tendências alarmantes em curso”, escreve Lúcia Guimarães ainda sobre o livro de Barbara Walter. “O país já é o que ela chama de anocracia, ou seja, não mais uma democracia completa, mas ainda não uma autocracia consumada. Se continuarem os esforços ativos do Partido Republicano para suprimir o voto de minorias prestes a se tornar maiorias e se a ultradireita tentar de novo roubar uma eleição, vai ser difícil tomar o caminho de volta”.Na conclusão do artigo na Folha de S Paulo, Guimarães elenca uma série de desdobramentos que parecem dialogar com o Brasil atual – e isso é perturbador. “A guerra civil do século 21”, escreve a historiadora, de acordo com a jornalista brasileira, “deve se assemelhar mais a uma de guerrilha, com uso de táticas terroristas”. Apesar de ter estudado a violência política em países diferentes, como Líbia e Irlanda do Norte, a historiadora americana explica que nota “dois fatores comuns para alimentar uma guerra civil. O mais importante é o país ser uma democracia parcial (ou anocracia). O segundo é a população começar a rachar em grupos religiosos, étnicos ou raciais e formar partidos políticos que visam excluir os outros”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email