Biden se aproxima de acordo para rolar a dívida e evitar calote nos Estados Unidos

O acordo final especificaria o valor total que o governo poderia gastar em programas discricionários, como habitação e educação

(Foto: Global Times/ foto oficial/reprodução)


Reuters – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o principal republicano do Congresso, Kevin McCarthy, estão chegando a um acordo que elevaria o teto da dívida do governo de US$ 31,4 trilhões de dólares por dois anos, ao mesmo tempo em que limitaria os gastos na maioria dos itens, informou um funcionário norte-americano à Reuters. O acordo, que ainda não está finalizado, aumentaria os recursos destinados aos gastos discricionários com militares e veteranos, enquanto essencialmente manteria os gastos discricionários não relacionados à defesa nos níveis do ano atual, disse o funcionário, que pediu anonimato por não estar autorizado a falar sobre discussões internas. A Casa Branca está considerando reduzir seu plano de aumentar os recursos destinados à Receita Federal para contratar mais auditores e focar em norte-americanos ricos, disse o funcionário. Um segundo funcionário norte-americano afirmou que o financiamento da Receita Federal ainda é uma questão em aberto, mas a principal preocupação é garantir que a agência execute as prioridades do presidente, mesmo que haja um pequeno corte ou realocação de recursos.

O acordo final especificaria o valor total que o governo poderia gastar em programas discricionários, como habitação e educação, de acordo com uma pessoa familiarizada com as negociações, mas não dividiria esses gastos em categorias individuais. Segundo outra fonte, as duas partes estão separadas por apenas $70 bilhões em relação a um valor total que seria superior a $1 trilhão. As duas partes se reuniram virtualmente na quinta-feira, informou a Casa Branca.

Os negociadores republicanos recuaram em seus planos de aumentar os gastos militares enquanto reduziam os gastos não relacionados à defesa e, em vez disso, apoiaram a proposta da Casa Branca de tratar ambos os itens orçamentários de forma mais igualitária, disse uma fonte familiarizada com as negociações à Reuters. Biden afirmou que ainda há discordância sobre onde os cortes devem ser feitos. "Não acredito que todo o peso deva recair sobre a classe média e trabalhadora dos Estados Unidos", disse ele aos repórteres. O líder da Câmara dos Representantes, McCarthy, disse na quinta-feira à noite que as duas partes ainda não chegaram a um acordo. "Sabíamos que não seria fácil", disse ele.

Não está claro quanto tempo o Congresso ainda tem para agir. O Departamento do Tesouro foi avisado de que poderia não conseguir cumprir todas as suas obrigações já em 1º de junho, mas afirmou na quinta-feira que venderia $119 bilhões em dívidas com vencimento nessa data, o que sugere para alguns observadores do mercado que não se trata de um prazo definitivo. "Eles sugeriram no passado que não anunciariam leilões que acreditam não terem os meios para liquidar", disse Gennadiy Goldberg, estrategista sênior de taxas do TD Securities em Nova York. "Então, acredito que isso seja uma nota positiva".

Qualquer acordo terá que passar pela Câmara dos Representantes, controlada pelos republicanos, e pelo Senado, controlado pelos democratas. Isso pode ser complicado, já que alguns republicanos de extrema direita e muitos democratas liberais disseram estar descontentes com a perspectiva de um compromisso. "Não acredito que todos ficarão felizes no final do dia. É assim que o sistema funciona", disse McCarthy. A Câmara encerrou suas atividades na quinta-feira à tarde para um recesso de uma semana, e o Senado não está em sessão. Os legisladores foram informados de que devem estar prontos para retornar e votar caso um acordo seja alcançado.

O acordo estabeleceria apenas as diretrizes gerais de gastos, deixando aos legisladores o preenchimento das lacunas nas próximas semanas e meses. Biden resistiu às propostas republicanas de endurecer os requisitos de trabalho para programas de combate à pobreza e relaxar as regras de perfuração de petróleo e gás, de acordo com o representante democrata Mark Takano. O deputado republicano Kevin Hern, que lidera o influente Comitê de Estudo Republicano, disse à Reuters que um acordo provavelmente seria alcançado até sexta-feira à tarde.

"PRAZO ESGOTADO" – Na quinta-feira, os democratas concentraram seus ataques no que disseram ser cortes devastadores na ajuda federal para veteranos, que vão desde cuidados de saúde e assistência alimentar até auxílio moradia, caso os republicanos consigam o que querem nas negociações. "O tempo acabou para todos esses jogos por aqui", disse o deputado democrata Don Davis, veterano da Força Aérea dos Estados Unidos, em uma coletiva de imprensa. Um calote dos Estados Unidos poderia abalar os mercados financeiros globais e levar o país a uma recessão. A agência de classificação de risco DBRS Morningstar colocou os Estados Unidos em revisão para possível rebaixamento na quinta-feira, ecoando alertas semelhantes feitos pela Fitch, Moody's e Scope Ratings. Outra agência, a S&P Global, rebaixou a dívida dos EUA após um impasse semelhante sobre o teto da dívida em 2011.

O impasse que dura meses tem assustado Wall Street, impactando as ações norte-americanas e elevando os custos de empréstimos do país. O secretário do Tesouro Adjunto, Wally Adeyemo, afirmou que as preocupações com o teto da dívida já aumentaram os custos de juros do governo em $80 milhões até o momento. Os legisladores regularmente precisam elevar o limite da dívida autoimposto para cobrir os custos de gastos e cortes de impostos que já foram aprovados. Os legisladores da Câmara terão três dias para ler qualquer projeto de aumento do teto da dívida antes de terem que votar.

McCarthy insistiu que qualquer acordo deve reduzir os gastos discricionários no próximo ano e limitar o crescimento dos gastos nos anos seguintes para desacelerar o crescimento da dívida dos Estados Unidos, que agora equivale à produção anual da economia. Os legisladores nos extremos direito e esquerdo dos partidos estão ficando frustrados. O deputado republicano Chip Roy, membro do influente Grupo de Liberdade de Direita, insistiu que qualquer acordo deve incluir os cortes drásticos de gastos que eles aprovaram no mês passado. Alguns democratas, por sua vez, dizem que Biden não tem sido vocal o suficiente sobre os aspectos negativos dos cortes de gastos propostos pelos republicanos, em contraste com McCarthy, que tem informado os repórteres várias vezes por dia. "Eu instaria o presidente a usar o poder do púlpito da presidência", disse o deputado democrata Steven Horsford.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247

Cortes 247