Bolívia cobra do Brasil explicação sobre caso Molina

Ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana disse que o senador Roger Pinto Molina (foto) deixou o país como um "criminoso comum"; segundo ele, o governo brasileiro terá que explicar as circunstâncias de entrada do boliviano no país, neste domingo

Ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana disse que o senador Roger Pinto Molina (foto) deixou o país como um "criminoso comum"; segundo ele, o governo brasileiro terá que explicar as circunstâncias de entrada do boliviano no país, neste domingo
Ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana disse que o senador Roger Pinto Molina (foto) deixou o país como um "criminoso comum"; segundo ele, o governo brasileiro terá que explicar as circunstâncias de entrada do boliviano no país, neste domingo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Carolina Gonçalves*
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O ministro da Presidência [o equivalente à Casa Civil], Juan Ramón Quintana, disse hoje (26) que o senador Roger Pinto Molina deixou o país como um "criminoso comum", já que tem ordem de prisão decretada e uma sentença condenatória de um ano por causar prejuízos econômicos ao Estado boliviano. De acordo com Quintana, o governo brasileiro terá que explicar as circunstâncias de entrada do boliviano no país.

Molina, que liderou a oposição ao governo de Evo Morales, ficou quase 15 meses abrigado na Embaixada do Brasil em La Paz desde que pediu asilo político ao Brasil, alegando perseguição política. O salvo-conduto era negado pelas autoridades bolivianas, que alegavam que o parlamentar responde a processos judiciais no país.

Ontem, o Ministério das Relações Exteriores informou que abrirá um inquérito para apurar as circunstâncias da entrada do senador Molina no país. Pinto Molina chegou nesse domingo ao Brasil pela cidade de Corumbá (MS), onde se encontrou com o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

O fiscal-geral interino do Ministério Público da Bolívia, o equivalente a procurador-geral em exercício da Bolívia, Roberto Ramírez, também sinalizou que a instituição pode engrossar a lista de autoridades que querem explicações do governo do Brasil sobre a saída do parlamentar de oposição do território boliviano. Ele explicou que representantes do órgão analisam o caso para identificar quais as providências podem ser adotadas.

Mesmo diante das cobranças ao Brasil, o ministro da Presidência da Bolívia reforçou o discurso de outros representantes do governo boliviano, de que a entrada do senador boliviano Roger Pinto Molina no Brasil não afetará a relação bilateral dos países . Anteriormente, a ministra da Comunicação boliviana, Amanda Dávila, disse que as relações entre a Bolívia e o Brasil serão mantidas em situação de absoluta cordialidade e respeito.

O senador boliviano Roger Pinto Molina deverá conceder entrevista no início da tarde de amanhã (27), no Senado. A agenda foi divulgada pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES). Ontem (25), Molina conversou com exclusividade com a Agência Brasil e agradeceu o apoio da presidenta Dilma Rousseff e da sociedade brasileira.

* Colaborou Renata Giraldi // Edição: Davi Oliveira

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email