“Bolsonaro está perdido. Já estou vendo sua queda”, afirma Boaventura de Sousa Santos

Para o sociólogo português, a CPI da Covid pode causar fortes efeitos na política nacional, inclusive forçando a renúncia de Bolsonaro. À TV 247, Boaventura Santos também falou do uso da pandemia como ferramenta de “controle social” no Brasil e da guerra comercial entre China e os EUA, que pode se tornar “uma guerra quente”. Assista

Boaventura de Sousa Santos
Boaventura de Sousa Santos (Foto: Beto Monteiro/Secom UnB)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, em entrevista à TV 247, afirmou que a CPI da Covid-19, criada pelo Senado na última semana, poderá sim ter fortes impactos na política nacional. Dentre eles, uma eventual renúncia de Jair Bolsonaro.

“Penso que a CPI é um instrumento que pode efetivamente levar a uma decisão, mas nessa CPI nós temos que saber qual é o Congresso que temos no Brasil. O Bolsonaro está refém do Centrão. A CPI pode ser a maneira que o Congresso tem de se libertar ou até de forçarem uma renúncia do Bolsonaro. Eu penso que o Bolsonaro está perdido”, falou o sociólogo.

Apesar de dizer que não gosta de praticar futurologia, Boaventura de Sousa Santos disse que já consegue ver a queda de Bolsonaro. “Não gosto de prever o futuro. Costumo dizer que os sociólogos só veem bem o passado; o futuro é muito complicado. Mas eu já estou vendo a queda [de Bolsonaro]”.

PUBLICIDADE

Pandemia de Covid-19

Boaventura Santos disse que, no Brasil, a pandemia tem sido utilizada como ferramenta de “controle social”. Ou seja, a classe política e as elites estão se utilizando das medidas restritivas de combate ao coronavírus para evitar que o povo saia às ruas para manifestar suas opiniões. “A pandemia está sendo usada no Brasil como uma forma de controle social, não tenho dúvida. É um controle demográfico, um darwinismo social. É ver-se livre de uma porcentagem significativa da população. É uma arma de destruição massiva. É uma forma de controle social porque eles sabem que, enquanto tiver pandemia, não há protestos massivos nas cidades brasileiras. Isso é muito importante”.

PUBLICIDADE

Para o sociólogo, “é possível e necessário” realizar protestos no Brasil, mesmo durante a crise sanitária. Ele afirmou que “falta imaginação” para pensar em diferentes maneiras de protestar que cumpram com o distanciamento social.

Geopolítica

PUBLICIDADE

Boaventura Sousa Santos afirmou que a China “é um império emergente” e que o “Brasil está no olho do furacão” da guerra comercial entre os chineses e os norte-americanos. Tal guerra, aliás, na visão do sociólogo, pode passar a ser “uma guerra quente, com uso de armas sobretudo no mar da China e no Pacífico”. "Nós estamos em uma situação de endurecimento, especialmente porque os Estados Unidos chegaram à conclusão de que é tarde demais para travar a China”, avaliou.

Inscreva-se na TV 247, seja membro e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email