Brasil está rasgando sua história, diz correspondente Jamil Chade

Para o colunista internacional Jamil Chade, o Brasil “está rasgando sua história” diplomática com o obscurantismo reinante na política externa iimplantada no governo Jair Bolsonaro; "Num dos dias mais constrangedores que já presenciei na ONU para o Brasil, vi apenas um padrão: um país rasgando sua história, enterrando sua reputação, ganhando a imagem de antipático e se alinhando com os valores dos países mais retrógrados de nosso planeta”, afirma

(Foto: Divulgação | PR)

247 - Para o colunista internacional Jamil Chade, o Brasil “está rasgando sua história” diplomática com o obscurantismo reinante na política externa do governo Jair Bolsonaro.  Segundo ele, apesar de apresentar alguns problemas, “havia uma lógica que remontava ao DNA da diplomacia de Rio Branco. A soberania seria defendida por meio do fortalecimento da paz, pelo diálogo e da defesa irrestrita do sistema multilateral. E não por sua destruição”, afirma em seu blog no UOL.

“Hoje, o Brasil abriu mão dessa coerência e dessa tradição. Transportando para a política externa valores ultra-conservadores do grupo no poder, desconsiderando a multiplicidade da população brasileiras e ignorando seus compromissos internacionais, o Itamaraty passou a colocar em prática uma diplomacia ideológica-religiosa. E que passou a minar o consenso até mesmo dentro do Ocidente”, observa o jornalista.

“Hoje, resoluções seriam negociadas na ONU para que, em julho, os textos possam ser submetidos ao voto. Mas o que presenciei foi um profundo constrangimento”, afirma.” Nem mesmo os novos aliados de Bolsonaro – Chile e Israel – toparam a guinada brasileira ao obscurantismo. Os representantes de ambos os países fizeram questão de pedir a palavra para dizer que não aceitavam o que o Brasil sugeria”, completou. 

“De forma surpreendente, quem passou a apoiar as propostas brasileiras eram justamente aqueles estados que são acusados de ainda viver com regras medievais para suas mulheres e de cometer atrocidades a quem não segue um dogma religioso. Fomos aplaudidos pela Arábia Saudita, Paquistão e Bahrein”, destaca.

“Num dos dias mais constrangedores que já presenciei na ONU para o Brasil, vi apenas um padrão: um país rasgando sua história, enterrando sua reputação, ganhando a imagem de antipático e se alinhando com os valores dos países mais retrógrados de nosso planeta”, completa. 

Confira o Twitter de Jamil Chade sobre o assunto. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247