Brasil tenta evitar uso da força contra a Síria

Diplomacia brasileira vai acompanhar de perto a votao de hoje de uma resoluo crtica ao regime do presidente Bashar al Assad, no Comit de Direitos Humanos das Naes Unidas, em NY

www.brasil247.com - Brasil tenta evitar uso da força contra a Síria
Brasil tenta evitar uso da força contra a Síria (Foto: HANDOUT/Reuters)


247 com agências internacionais – O Brasil decidiu elevar o tom contra a repressão do regime sírio aos protestos por reformas democráticas no país árabe. A diplomacia brasileira acompanha de perto, nesta terça-feira, a votação de uma resolução crítica ao regime do presidente Bashar al Assad, negociada no Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Nova York. As informações são da BBC.

O Brasil trabalha para incluir na resolução uma menção condenando o uso de força em uma eventual intervenção da comunidade internacional no país. A diplomacia brasileira mantém o posicionamento contrário a operações como a liderada pela Otan, que resultou na queda do regime de Muamar Khadafi, na Líbia.

Desde o início da crise na Síria, o Brasil tem defendido uma solução negociada para a questão. Em agosto, o embaixador Paulo Cordeiro de Andrade Pinto, subsecretário-geral para África e Oriente Médio do Itamaraty, foi até Damasco acompanhado de diplomatas da Índia e da África do Sul.

Após encontro com o presidente Assad, o trio soltou uma nota pedindo o fim da violência no país. O texto foi criticado ao condenar "a violência de todas as partes", em um momento em que organizações internacionais denunciavam a repressão das forças oficiais contra civis desarmados.

No início de outubro, quando ainda fazia parte do Conselho de Segurança da ONU como membro permanente, o Brasil se absteve na votação de uma resolução contra a Síria. A medida apoiada pelos Estados Unidos e pelos países europeus acabou sendo vetada por Rússia e China, membros permanentes do conselho.

A fonte do Itamaraty também reconheceu que o Brasil tem se pautado pela posição da Liga Árabe. De acordo com o diplomata, o governo brasileiro apóia que negociações de conflitos sejam tocadas por organizações multilaterais de caráter regional.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email