Camareira descreve como foi atacada por Strauss-Kahn

Em entrevista exclusiva revista Newsweek, Nafissatou Diallo conta que o ex-presidente do FMI a recebeu no quarto pelado, fechou a porta e tentou agarr-la

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A revista americana Newsweek trouxe em sua capa uma entrevista exclusiva com Nafissatou Diallo, a camareira que acusa o ex-presidente do FMI Dominique Strauss-Kahn de abuso sexual. A guineana de 32 anos relata em sua primeira entrevista desde o ocorrido que, no dia 14 de maio, ao entrar no quarto 2806 do Sofitel Hotel, chamou duas vezes, mas ninguém respondeu. Ao entrar na suíte, a camareira disse em voz alta: “Olá, serviço de quarto”, e se deparou com um homem de cabelo grisalho sem roupa. A camareira se desculpou e ouviu do homem: ”Você não tem do que se desculpar”. No relato da moça, Strauss-Kahn fechou a porta e tentou pegar em seus seios.

A reportagem, que foi publicada na capa da Newsweek, conta um pouco da vida da camareira, que tinha de limpar 14 quartos por dia por um ordenado de US$ 25 por hora, sem contar as gorjetas. Segundo o relato da moça, antes de entrar no quarto, Nafissatou Diallo ouviu de um garçom que não havia mais ninguém ali. “Você é linda”, disse Strauss-Kahn, depois de fechar a porta. A moça pediu para ele parar, alegando que iria perder o emprego, mas ele garantiu: “Você não vai perder seu emprego”.

Na descrição da camareira, Strauss-Kahn a empurrou forte para a cama e tentou botar seu pênis na boca dela. Diallo balançou a cabeça de um lado para o outro, para resistir. “Empurrei ele e levantei. Queria assustá-lo”, contou a moça à revista. Ela o ameaçou, dizendo que o supervisor estaria próximo, mas ele disse que não havia ninguém ali e que ninguém iria ouvir. Diallo continuou a empurrá-lo, sempre com medo de machucá-lo e de perder o emprego. “Quero que ele vá para a prisão. Quero que ele vá para algum lugar onde não se possa usar o poder nem o dinheiro”, disse a moça, reclamando que, por culpa do francês, ela vem sendo chamada de prostituta.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email