Chanceler argentino questiona golpismo da OEA e fala sobre recentes vitórias progressistas na América Latina

O chanceler argentino criticou a OEA e fez alusão aos recentes triunfos eleitorais das forças progressistas na América Latina

Felipe Solá
Felipe Solá (Foto: Valter Campanato/ag.Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “O que aconteceu na Bolívia não teria sido possível sem o consentimento da OEA”, disse o Ministro das Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá, referindo-se ao golpe do ano passado.

Solá questionou nesta terça-feira (10) o papel político da Organização dos Estados Americanos (OEA) nos processos políticos do continente.

“O que aconteceu na Bolívia não teria sido possível sem o consentimento da OEA. Sua função é denunciar os golpes, não patrociná-los ”, declarou Solá referindo-se ao golpe que derrubou o ex-presidente boliviano Evo Morales em 10 de novembro de 2019, informa a Telesul.

Por sua vez, o chanceler argentino, aludindo aos recentes triunfos eleitorais progressistas no continente, anunciou que “trabalharemos nesta nova etapa política do continente para recuperar a unidade perdida, com a vontade de uma integração forte e responsável".

As declarações de Felipe Solá coincidem com o primeiro aniversário do golpe contra Evo Morales e o retorno do líder boliviano ao seu país, nesta segunda-feira (9), proveniente da Argentina, onde passou seu exílio. 

Durante seu retorno à Bolívia, o ex-governante sul-americano estava acompanhado por seu ex-vice-presidente, Álvaro García Linera. O próprio presidente argentino, Alberto Fernández, se despediu de Evo na fronteira. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247