CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Chile reconhece vítimas da ditadura

O governo chileno incluiu mais 9,8 mil nomes no rol oficial de pessoas que sofreram abusos promovidos pelo regime ditatorial liderado por Augusto Pinochet e que vigorou no pas entre 1973 e 1990

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Agência Estado - O governo do Chile reconheceu formalmente nesta quinta-feira mais 9.800 vítimas da ditadura militar que vigorou no país entre 1973 e 1990. Com isso, o número de pessoas assassinadas, torturadas ou aprisionadas por motivos políticos durante o regime ditatorial aumentou para mais de 40 mil. Um esforço similar realizado em 2004 determinou que 27.153 sobreviventes estavam aptos a receber compensação mensal do governo pelos abusos cometidos contra eles por agentes da ditadura liderada pelo general Augusto Pinochet. Contando as 3.065 pessoas que foram assassinadas ou que desapareceram durante o regime de exceção, a lista oficial acatada hoje pelo presidente do Chile, Sebastián Piñera, totaliza 40.018 vítimas da ditadura.

Os sobreviventes reconhecidos pelo governo receberão uma pensão mensal equivalente a pouco mais de R$ 400. Com a nova lista, o governo passará a dedicar o equivalente a cerca de R$ 200 milhões por ano para compensar as vítimas do regime. A Comissão Nacional sobre Tortura e Aprisionamento Político foi criada em fevereiro de 2010, em um dos últimos atos de Michelle Bachelet como presidente chilena. O organismo checou as informações fornecidas por milhares de pessoas para formular a nova lista de vítimas. As informações são da Associated Press.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

fonte: Agência Estado

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO