China e Rússia devem fortalecer cooperação multilateral, diz chanceler chinês

China e Rússia devem fortalecer a cooperação na luta contra a Covid-19 e em outras áreas para promover as relações bilaterais, declarou na sexta-feira o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi

Os chanceleres Wang Yi (China) e Sergei Lavrov (Rússia)
Os chanceleres Wang Yi (China) e Sergei Lavrov (Rússia) (Foto: Xinhua)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Após 70 anos, a relação China-Rússia tornou-se mais madura, mais estável e mais dinâmica, disse Wang Yi, chanceler da China, em uma coletiva de imprensa após se reunir com seu homólogo russo, Sergei Lavrov em Moscou.

Ao elogiar as conquistas das relações China-Rússia, Wang disse: "Devemos pensar profundamente como podemos manter, consolidar e desenvolver nossa relação bilateral nesta nova situação", acrescentando que isso não está apenas relacionado ao desenvolvimento e revitalização dos dois países e ao bem-estar de seus povos, mas também tem um significado exemplar no âmbito mundial, informa a Xinhua.

Portanto, os dois lados devem fortalecer a cooperação em quatro áreas, disse o principal diplomata chinês.

Em primeiro lugar, a China e a Rússia devem ser apoiadoras da cooperação internacional na luta contra a Covid-19, disse Wang.

Diante da pandemia, a comunidade internacional precisa de unidade em vez de egoísmo, colaboração em vez de transferência de culpa. China e Rússia estão dispostas a trabalhar em conjunto com todas as partes para apoiar firmemente a Organização Mundial da Saúde, fazer um bom trabalho na normalização da prevenção e controle epidêmicos e tornar as vacinas um produto público universalmente acessível para todo o mundo.

O ato irresponsável de liberar o "vírus político" em vez de controlar a disseminação do novo coronavírus deve ser oposto, de modo a nutrir um ambiente político sólido e uma opinião pública favorável para a cooperação internacional na luta contra a Covid-19, indicou ele.

Em segundo lugar, os dois países devem ser exemplos de grandes potências vivendo em harmonia, enfatizou Wang.

Sendo os maiores vizinhos entre si, China e Rússia são os maiores países do mundo em termos populacionais e territoriais, respectivamente, recordou ele, observando que quanto maior o tamanho de um país, maior é sua responsabilidade.

Os dois lados tomarão a implementação dos consensos entre os dois chefes de Estado como a tarefa central, continuarão a aprofundar a confiança política mútua e a cooperação estratégica, avançarão no acoplamento da Iniciativa do Cinturão e Rota com a União Econômica Eurasiana, promoverão o desenvolvimento mutuamente benéfico da Iniciativa do Cinturão e Rota e da Grande Parceria Eurasiana, e darão um exemplo de cooperação entre grandes potências, disse Wang.

Em terceiro lugar, os dois lados devem ser líderes em ciência e tecnologia de ponta, disse Wang.

China e Rússia têm enormes vantagens complementares e potencial de cooperação no desenvolvimento da ciência e tecnologia. Eles aproveitarão o Ano de Inovação Científica e Tecnológica entre os dois países, desenvolverão e implementarão vigorosamente projetos estratégicos, aprofundarão a cooperação na transformação de conquistas científicas e tecnológicas, promoverão intercâmbios de talentos e incentivarão empresas de alta tecnologia e internet a iniciar negócios e investir no outro país, fornecendo apoio científico e tecnológico para a cooperação pragmática entre os dois países e suas respectivas economias nacionais e a subsistência de seus povos", disse ele.

Em quarto lugar, os dois países devem ser guardiões da equidade e da justiça internacionais, disse Wang.

Este ano marca o 75º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial e da fundação da Organização das Nações Unidas (ONU), e a comunidade internacional enfrenta um teste histórico que precisa fazer uma escolha entre o multilateralismo e o unilateralismo, e entre a cooperação e a confrontação, acrescentou.

Como membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e principais economias emergentes, a China e a Rússia estão dispostas a trabalhar com a comunidade internacional para salvaguardar firmemente a posição central da ONU no sistema internacional, respeitar os propósitos e princípios da Carta das Nações Unidas, reiterar o compromisso com o multilateralismo, reformar e melhorar ativamente o sistema de governança global, defender a construção de uma economia mundial aberta, e se unir para construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade, disse Wang.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247