China se opõe à venda de drones dos EUA para Taiwan

A China expressou na quarta-feira a oposição ao mais recente plano aprovado pelo Departamento de Estado dos EUA para vender drones MQ-9B para Taiwan

Wang Wenbin, porta-voz da chancelaria chinesa
Wang Wenbin, porta-voz da chancelaria chinesa (Foto: Diário do Povo on line)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A China diz que se opõe firmemente à planejada venda de drones dos Estados Unidos a Taiwan e promete reações "legítimas e necessárias" para salvaguardar a soberania nacional e os interesses de segurança do país.

A venda potencial, no valor de US$ 600 milhões, é supostamente o primeiro de tais negócios depois que a administração dos EUA aliviou as restrições à exportação de drones armados em julho, informa a Xinhua.

Em resposta a uma pergunta da mídia em uma entrevista coletiva diária, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, disse que a posição da China sobre a questão da vendas de armas dos EUA para Taiwan é "consistente e clara".

Wang disse que as vendas de armas dos EUA para a região de Taiwan violam gravemente o princípio de Uma Só China e os três comunicados conjuntos China-EUA, especialmente o Comunicado de 17 de agosto, constituem uma interferência flagrante nos assuntos internos da China, minam seriamente a soberania e interesses de segurança da China, enviam sinais errados às forças separatistas de "independência de Taiwan" e minam gravemente as relações China-EUA, bem como a paz e estabilidade através do Estreito de Taiwan.

"A China se opõe firmemente a tais atos", disse o porta-voz.

Wang exortou os Estados Unidos a permanecerem comprometidos com o princípio de Uma Só China e os três comunicados conjuntos China-EUA, interrompendo a venda de armas e os laços militares com a região de Taiwan e cancelando imediatamente seu plano de venda de armas para evitar danos adicionais às relações China-EUA e à paz e estabilidade através do Estreito.

"A China tomará reações legítimas e necessárias para salvaguardar firmemente a soberania nacional e os interesses de segurança", acrescentou Wang.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247