China volta-se para o mercado interno e tecnologia, sob pressão dos EUA e da crise global

A China aumentará seu engajamento com o mercado interno e as alianças com países e regiões amigas como alternativa para superar as sanções dos Estados Unidos e a crise global. A inovação tecnológica estará em primeiro lugar

Indústria de Inteligência Artificial da China cria demanda por talentos
Indústria de Inteligência Artificial da China cria demanda por talentos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Editorial do jornal Global Times indicou que a guerra comercial lançada por Washington em 2018 motivou a reorientação das políticas econômicas com o objetivo de estabilizar o crescimento do país, alcançar a autossuficiência e a liderança na inovação de produtos e serviços de alta tecnologia.

Nesse sentido, Pequim vai investir mais em sistemas inovadores e na formação de talentos nos próximos cinco anos, enquanto as empresas vão manter o dinamismo graças à disponibilidade de grande força de trabalho e capacidade de consumo interno, informa a Prensa Latina.

Essa tática, disse o jornal, ajudaria ao mesmo tempo o país a se tornar um centro de referência mundial em termos econômicos e tecnológicos, com vantagens sobre os concorrentes internacionais.

Mas isso não significaria abandonar os negócios com estrangeiros e, sim, espera-se que continue abrindo sem discriminação para empresas dessas nações e áreas vinculadas à China por meio do projeto Um Cinturão, uma rota.

O Global Times assegurou que o Governo está antecipando o impacto de uma previsível recessão global como resultado da pandemia de Covid-19 e também da dissociação econômica promovida pelos Estados Unidos.

“A China precisa depender de seu grande mercado interno para buscar forças (...) precisa tomar o seu destino com determinação”, disse.

Da mesma forma, o editorial convoca gigantes como Huawei, Alibaba, Tencent, Xiaomi e Sanan Optoelectronics para se prepararem agora, porque o futuro pode trazer uma divisão de padrões tecnológicos no planeta.

Além dessa estratégia, a China recentemente restringiu a exportação de sistemas e equipamentos inteligentes em um esforço para impulsionar os avanços científicos, a cooperação econômica e tecnológica internacional e proteger seu desenvolvimento.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247