Cidade Proibida da China comemora 600 anos com programação cultural

Um dos pontos turísticos mais visitados do mundo, com um recorde de mais de 17 milhões de visitantes em 2019, a Cidade Proibida, também conhecida como Museu do Palácio Imperial, completará 600 anos em 2020, o que dará lugar a muitas atividades culturais de cunho histórico

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Prensa Latina - A Cidade Proibida ou Museu do Palácio Imperial de Pequim,  capital da China, comemorará em 2020 seus 600 anos de existência com uma ampla programação que incluirá exposições, eventos acadêmicos e outras atividades públicas.

Segundo as autoridades chinesas, as mostras abordarão temáticas como a arquitetura antiga do país, as artes plásticas, a caligrafia, as artes decorativas tradicionais e as interações entre a civilização chinesa e as estrangeiras.

No local serão lançadas várias publicações, projetados audiovisuais  e realizados simpósios, rodas de conversas e fóruns internacionais sobre a história e a preservação de patrimônios.

Entre outras iniciativas, serão postos à venda selos comemorarivos, cédulas e moedas antigas.

A Cidade Proibida marca exatamente o coração de Pequim e foi batizada com este nome porque as pessoas comuns não podiam entrar sem permissões especiais na época imperial, à exceção dos membros da corte.

Ali viveram 24 imperadores até 1911, quando houve a revolução republicana que derrocou o regime da última dinastia feudal da China, a Dinastia Qing.

A instalação fechou o ano passado com um recorde de mais de 17 milhões de visitantes.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247