Coalizão espanhola apresenta plano de governo com mais impostos para ricos

O plano da coalização de governo apresentado pelo Partido Socialista Espanhol (Psoe) e pelo Podemos, ambos de esquerda, também revoga itens da reforma trabalhista. De acordo com o secretário geral do Podemos, Pablo Iglesias, o futuro Executivo pretende ser uma "referência mundial" de "modernidade, progressismo e feminismo"

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Partido Socialista Espanhol (Psoe) e o Unidas Podemos, ambos de esquerda, apresentaram nesta segunda-feira (1) o plano da coalizão de governo que formaram depois das eleições gerais de novembro e que ainda precisa ser aprovada pelo Parlamento. O projeto, que ainda precisa ser aprovado pelo Parlamentar, contém como duas propostas principais o aumentos de impostos para os mais ricos e a revogação alguns itens da reforma trabalhista implantada em 2012 no governo de Mariano Rajoy, do direitista Partido Popular (PP).

De acordo com o secretário geral do Podemos, Pablo Iglesias, o futuro Executivo pretende ser uma "referência mundial" de "modernidade, progressismo e feminismo".

A coalização quer aumentar em dois pontos percentuais o Imposto de Renda para quem ganha mais de 130 mil euros por ano, e quatro pontos para quem recebe mais de 300 mil euros por ano. A taxa imposta pelo Estado sobre a renda também subirá em quatro pontos percentuais a partir de 140 mil euros, chegando a 27%. E será estabelecida uma taxa mínima de 18% para bancos e empresas de energia.

A proposta promete recuperar "direitos trabalhistas retirados pela reforma de 2012", aprovada por Rajoy. A subcontratação será limitada a serviços especializados que não sejam vinculados à atividade principal da empresa. O projeto também limita "a capacidade de modificação unilateral das condições do contrato por parte da empresa".

Se a Esquerda Republicana da Catalunha (ERC) retomar o poder, será o primeiro governo de coalizão de esquerda no país desde a Guerra Civil Espanhola (1936-1939).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247