Começa hoje Era Humala. E ele quer ser Lula

Presidente radical que assume o Peru foi amansado por assessores brasileiros e, aparentemente, trocou o chavismo pelo lulismo; Dilma na posse; Humala est domesticado?

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Enquanto o chavismo vai demonstrando sinais de desgaste (não apenas físico), surge uma nova tendência na América Latina. A ser empossado nesta quinta-feira, o presidente peruano, Ollanta Humala, dá sequência ao lulismo, inaugurado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em que consiste? Basicamente na transformação de um radical de esquerda em moderado, na tentativa de diminuir a rejeição dos eleitores a seu nome e viabilizar a vitória. A tática foi usada para eleger Lula em 2002 e, no ano passado, repassada pelos assessores Luis Favre (ex-marido da senadora Marta Suplicy, PT-SP) e Valdemir Garreta, ambos emissários do governo brasileiro, à campanha de Humala.

O novo presidente peruano seguiu o script à risca. Moderou as propostas, disse que priorizaria uma equipe capaz de dar continuidade à média de crescimento econômico do Peru nos últimos anos, de 6%, e até escreveu sua Carta Compromisso com o Povo Peruano, uma cópia da Carta ao Povo Brasileiro, de Lula. A estratégia foi determinante para a vitória do candidato nacionalista, como demonstrou a pequena margem de 51,5% dos votos contra os 48,5% da adversária Keiko Fujimori, e representa a importância alcançada pelo ex-presidente Lula no continente.

O perfil do Humala pré-lulismo mostra que o modelo de político latino-americano inspirado em Lula é abrangente. Pelo menos o bastante para amenizar a imagem de um ex-militar golpista até então considerado discípulo do presidente venezuelano, Hugo Chávez. Em agradecimento, Humala esteve com a presidente Dilma Rousseff em junho e disse que o Brasil é um exemplo de governo que merece ser seguido, destacando as conquistas econômicas e a luta contra a pobreza e pela igualdades social do vizinho.

Afora os planos pessoais de Lula para o continente, a intervenção do governo brasileiro no processo eleitoral peruano foi estratégica. O Peru vem recebendo investimentos de grandes construtoras brasileiras e firmou um pacto na área de energia com o Brasil para a construção de hidrelétricas na fronteira. O Brasil também vem investindo em duas rodovias interoceânicas para conseguir acesso aos portos do oceano Pacífico e chegar aos mercados asiáticos, e a eleição de um governo não amigável poderia prejudicar os planos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email