Contra isolamento, Maduro reforça laços com Rússia e China

A Venezuela aposta em melhores relações e maior apoio tanto da China como da Rússia para superar a crise que enfrenta, disse o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, depois de os Estados Unidos anunciarem um pacote de sanções contra o país

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante transmissão semanal, em Caracas 06/08/2017 Palácio de Miraflores/Divulgação via REUTERS
Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante transmissão semanal, em Caracas 06/08/2017 Palácio de Miraflores/Divulgação via REUTERS (Foto: Leonardo Attuch)

Da Agência Sputinik

A Venezuela aposta em melhores relações e maior apoio tanto da China como da Rússia para superar a crise que enfrenta, disse o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, depois de os Estados Unidos anunciarem um pacote de sanções contra o país.

"Vamos sempre procurar ter melhores relações, maior apoio da China, da Rússia e de outros países do mundo, para que nos ajudem, para que ajudem o povo da Venezuela, assim como nós também ajudamos outros países", disse o chefe da diplomacia venezuelana, na sede da ONU, depois de se reunir com o secretário-geral António Guterres.

O governo de Nicolás Maduro não permitirá que as sanções econômicas impostas pelos EUA provoquem uma crise humanitária na Venezuela, disse o chanceler.

 
Jorge Arreaza afirmou que "a primeira via que temos que esgotar com os Estados Unidos e com qualquer país que tenha algum tipo de problema com a Venezuela é o diálogo. Espero que o presidente Trump e seu governo compreendam que este é o mundo do diálogo, não o mundo das guerras".

Arreaza acrescentou que ainda estão avaliando medidas concretas para responder às sanções que Washington aprovou nesta sexta-feira (25).

"Estamos estudando, tomaremos todas as medidas que estejam ao nosso alcance em todos os domínios para defender o povo da Venezuela e evitar que qualquer uma destas decisões tenha efeito nas famílias venezuelanas, tenha efeitos na saúde dos venezuelanos, no bem-estar dos venezuelanos", afirmou o chanceler. 

Em 25 de agosto, o presidente dos EUA, Donald Trump, adotou novas sanções contra a Venezuela. Entre outras medidas, Washington proibiu às empresas norte-americanas negociar ou adquirir títulos de dívida e ações emitidas pelo governo da Venezuela ou pela sua estatal de petróleo PDVSA, com prazo de vencimento superior a 30 e 90 dias, respectivamente. 

Os Estados Unidos adotaram uma série de sanções contra as autoridades da Venezuela ao longo dos últimos meses, incluindo o presidente Maduro, responsabilizando o governo venezuelano por todos os problemas que atingem o país e acusando-o de violar os direitos humanos.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247