Corte Interamericana dos Direitos Humanos critica “proselitismo político e religioso” de Bolsonaro

A crítica foi por conta da exibição pela TV Brasil de uma cerimônia religiosa em que Jair Bolsonaro foi chamado de "libertador"

Malafaia pressiona Bolsonaro a demitir secretário que cogitou taxar igrejas
Malafaia pressiona Bolsonaro a demitir secretário que cogitou taxar igrejas (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Forum - O relator Especial para a Liberdade de Expressão da Corte Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH), Edison Lanza, fez uma publicação em suas redes sociais nesta segunda-feira (13) criticando o uso da TV Brasil por parte do presidente Jair Bolsonaro para proselitismo político e religioso.

“Um continente que não aprende com os erros é condenado a repetir suas tragédias. A TV pública do Brasil transformou-se em um espaço para proselitismo político e religioso. O uso sectário e longe do interesse público da mídia pública deve ser banido com garantias legais”, escreveu no Twitter.

Lanza comentava sobre a transmissão ao vivo de um culto de Páscoa que contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro. “Neste momento, a TV Brasil está transmitindo um culto ao vivo. O pastor que fala agora está chamando Bolsonaro de ‘libertador’ e criticando a quarentena contra o coronavírus”, escreveu o jornalista Daniel Cassol ao criticar a cena no domingo.‌

Confira a reportagem completa no site da Revista Forum.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247