Cristina Kirchner: não há mais estado de direito na América Latina

Um dos motivos apontados pela ex-presidente argentina foi o golpe desferido pela quadrilha do PMDB, com apoio do PSDB e conivência do STF, contra a presidente Dilma Rousseff e a democracia brasileira

Presidente da Argentina, Cristina Kirchner, durante evento em Buenos Aires. 11/02/2015 REUTERS/Enrique Marcarian
Presidente da Argentina, Cristina Kirchner, durante evento em Buenos Aires. 11/02/2015 REUTERS/Enrique Marcarian (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Sputinik

A ex-presidente argentina Cristina Kirchner afirmou em entrevista ao portal Infobae que não há estado de direito na Venezuela e na Argentina.

Para ela, a democracia está em "emergência" em toda a América Latina. Para demonstrar seu ponto, a ex-presidente apontou a violência contra jornalistas no México, o processo de destituição de Dilma Rousseff no Brasil, a prisão da ativista Milagro Sala na Argentina — a quem considera uma presa política, e a existência de presos políticos na Venezuela.

"[Nicolás] Maduro expulsou a Procuradora-Geral [Luisa Ortega], bem, aqui também querem expulsar a Procuradora-Geral. Parece-me que não se pode tomar uma medida de uma maneira se há um governo que é de esquerda populista e se o governo é de direita e eu gosto, está bem tudo o que ele faz."

Para Cristina, "possivelmente está muito questionado o estado de direito na Venezuela, porque há um estado de divisão e de fratura muito forte na sociedade".

Cristina Kirchner foi presidente da Argentina entre 2007 e 2015 e agora é candidata ao senado pela província de Buenos Aires. As eleições estão previstas para 22 de outubro. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247