Derrotado na ONU, Pompeo cai na defensiva e evita falar sobre invasão militar dos EUA na Venezuela

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse a repórteres durante o encontro do Conselho de Segurança da ONU neste sábado (26) que prefere não especular sobre uma possível ação militar na Venezuela; ele não conseguiu impor ao Conselho de Segurança da ONU uma Declaração de apoio à tentativa de golpe de Estado e intervenção externa no país sul-americano

Derrotado na ONU, Pompeo cai na defensiva e evita falar sobre invasão militar dos EUA na Venezuela
Derrotado na ONU, Pompeo cai na defensiva e evita falar sobre invasão militar dos EUA na Venezuela (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Sputnik - O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse a repórteres durante o encontro do Conselho de Segurança da ONU neste sábado (26) que prefere não especular sobre uma possível ação militar na Venezuela.

Pompeo foi instado a responder uma questão direta feita pelo enviado russo à ONU, Vassily Nebenzia, se Washington usaria força militar na Venezuela.

"O que os Estados Unidos podem fazer no futuro eu não vou especular [...]. Nós pensamos que todos os membros da Organização das Nações Unidas [ONU] devem se juntar a nós pelo povo da Venezuela", afirmou.

Pompeo também acrescentou que o governo dos EUA acredita que conseguirá mais apoio contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a favor de uma mudança de regime no país sul-americano.

Ele não conseguiu impor ao Conselho de Segurança da ONU uma Declaração de apoio à tentativa de golpe de Estado e intervenção externa na Venezuela.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247