Desaparecimento de avião da Malaysia é 'quase inconcebível', diz relatório

Desaparecimento do voo MH370, da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, no dia 8 de março de 2014, é "quase inconcebível" e "socialmente inaceitável na aviação moderna", diz relatório final sobre o caso feito pelo Escritório Australiano de Segurança no Transporte, que lidera a busca juntamente com a China e a Malásia; avião caiu em uma área remota do Índico e foi buscado em uma área de 120 mil km², mas sem sucesso; busca foi suspensa no dia 17 de janeiro, até que apareçam provas sólidas que permitam a retomada das operações

Desaparecimento do voo MH370, da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, no dia 8 de março de 2014, é "quase inconcebível" e "socialmente inaceitável na aviação moderna", diz relatório final sobre o caso feito pelo Escritório Australiano de Segurança no Transporte, que lidera a busca juntamente com a China e a Malásia; avião caiu em uma área remota do Índico e foi buscado em uma área de 120 mil km², mas sem sucesso; busca foi suspensa no dia 17 de janeiro, até que apareçam provas sólidas que permitam a retomada das operações
Desaparecimento do voo MH370, da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, no dia 8 de março de 2014, é "quase inconcebível" e "socialmente inaceitável na aviação moderna", diz relatório final sobre o caso feito pelo Escritório Australiano de Segurança no Transporte, que lidera a busca juntamente com a China e a Malásia; avião caiu em uma área remota do Índico e foi buscado em uma área de 120 mil km², mas sem sucesso; busca foi suspensa no dia 17 de janeiro, até que apareçam provas sólidas que permitam a retomada das operações (Foto: Paulo Emílio)

Agência Brasil - O desaparecimento do voo MH370, da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, no dia 8 de março de 2014, é "quase inconcebível" e "socialmente inaceitável na aviação moderna", diz o relatório final sobre o caso, publicado nesta terça-feira (3) na Austrália. A informação é da Agência EFE.

O documento, feito pelo Escritório Australiano de Segurança no Transporte (ATSB, a sigla em inglês), que lidera a busca juntamente com a China e a Malásia, manifestou "profunda tristeza por não ter localizado o avião, nem tampouco as 239 vítimas que estavam a bordo e que continuam desaparecidas".

O relatório fornece detalhes da busca pelo MH370 e o trabalho realizado pela Austrália no rastreamento submarino, em uma área de 120 mil quilômetros quadrados (km²) no Oceano Índico, nas margens ocidentais da Austrália, sem encontrar o avião.

"É um esforço sem precedentes e houve uma resposta extraordinária da comunidade global", destacou, em comunicado, Greg Hood, da ATSB. Ele destacou o alto padrão e profissionalismo envolvidos no trabalho.

Em meados de agosto, relatórios da Geoscience Austrália e da Organização para a Investigação Industrial e Científica do Consórcio de municípios da Austrália (CSIRO, sigla em inglês) sugeriram que o avião está em uma área de 25 mil km² do Oceano Índico, ao norte de onde inicialmente foi procurado.

O avião da Malaysia Airlines desapareceu dos radares no dia 8 de março de 2014, 40 minutos após a decolagem em Kuala Lumpur, seguindo para Pequim, depois de serem apagados os sistemas de comunicação, de acordo com a investigação oficial.

Nele viajavam 239 pessoas, sendo 154 cidadãos chineses, 50 malaios (12 formavam a tripulação), sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três americanos, dois canadenses, dois iranianos, dois neozelandeses, dois ucranianos, um holandês e um russo.

Os especialistas verificaram, com base nos dados disponíveis, que o avião caiu em uma área remota do Índico e foi buscado em uma área de 120 mil km², mas sem sucesso.

Partes do MH370 foram recuperadas em Moçambique, na África do Sul, nas Ilhas Mauricio, na Ilha da Reunião (França) e em Pemba (Tanzânia), conforme confirmado por testes de laboratório.

A busca na área foi suspensa no dia 17 de janeiro, até que apareçam provas sólidas que permitam a retomada das operações.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Mundo

China rejeita lei dos EUA sobre Hong Kong

A China expressou nesta quarta-feira (16) indignação e rejeição à chamada Lei dos Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong 2019, apoiada no Congresso dos Estados Unidos, alertando que tomará...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247