Deutsche Bank abandona Trump, que pode quebrar após deixar a Presidência

O Deutsche Bank, maior credor de Donald Trump e que foi ao longo dos anos seu grande parceiro financeiro, não fará negócios no futuro com o presidente dos EUA, após o ataque de seus apoiadores ao Capitólio dos EUA

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

FRANKFURT (Reuters) - O Deutsche Bank não fará negócios no futuro com o presidente dos EUA, Donald Trump, ou suas empresas após o ataque de seus apoiadores ao Capitólio dos EUA, informou o New York Times.

O Deutsche Bank é o maior credor de Trump, com cerca de US$ 340 milhões em empréstimos pendentes para a Trump Organization, o grupo guarda-chuva do presidente que atualmente é supervisionado por seus dois filhos, de acordo com as divulgações de Trump com o Escritório de Ética Governamental dos Estados Unidos em 31 de julho do ano passado, fontes bancárias.

O movimento, relatado pelo NYT e citando uma pessoa familiarizada com o pensamento do banco, chega quando o banco de assinatura - onde as divulgações de ética de Trump mostram que ele tem contas correntes e no mercado monetário - pediu que ele se demitisse.

“A renúncia do presidente ... atende aos melhores interesses de nossa nação e do povo americano”, disse o Signature Bank em seu site.

Um porta-voz do Deutsche Bank não quis comentar na terça-feira o relatório do NYT.

A Trump Organization não respondeu imediatamente a um e-mail pedindo comentários fora do horário comercial normal, e a assessoria de imprensa da Casa Branca não atendeu ao telefone.

Christiana Riley, chefe das operações do Deutsche Bank nos EUA, condenou a violência de 6 de janeiro em Washington em uma postagem no LinkedIn na semana passada.

“Temos orgulho de nossa Constituição e apoiamos aqueles que buscam defendê-la para garantir que a vontade do povo seja mantida e uma transição pacífica de poder ocorra”, escreveu ela.

A Reuters relatou em novembro que o Deutsche Bank estava procurando maneiras de encerrar sua relação com Trump após as eleições nos Estados Unidos, já que se cansa da publicidade negativa decorrente dos laços.

Os empréstimos de Trump com o Deutsche são para um campo de golfe em Miami e hotéis em Washington e Chicago.

O presidente recebeu uma repreensão do mundo do golfe profissional nesta semana, com o PGA of America e o R&A anunciando que evitariam dois campos de propriedade do presidente na sequência da invasão do Capitólio.

O Twitter e o Facebook fecharam os feeds de mídia social de Trump.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email