Dilma parabeniza o povo chileno pelo resultado do plebiscito que "enterrou" Constituição da ditadura

"Parabéns ao povo chileno, que decidiu nas urnas enterrar a Constituição que herdou da ditadura militar de Pinochet. A vitória no plebiscito é resultado de um grande movimento popular de protesto contra o neoliberalismo e a repressão”, postou a ex-presidente Dilma Rousseff nas redes sociais

Dilma e chilenos comemorando vitória
Dilma e chilenos comemorando vitória (Foto: Ederson Casartelli | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-presidente Dilma Rousseff usou as redes sociais para  parabenizar o povo chileno pelo resultado do plebiscito realizado neste domingo (25), que decidiu de forma democrática sepultar a  Constituição herdada da ditadura militar do general Augusto Pinochet. “Parabéns ao povo chileno, que decidiu nas urnas enterrar a Constituição que herdou da ditadura militar de Pinochet. A vitória no plebiscito é resultado de um grande movimento popular de protesto contra o neoliberalismo e a repressão”, diz trecho da postagem  feita por Dilma no Twitter. 

Em uma outra postagem, ela exaltou a participação feminina na assembleia que irá elaborar a nova Constituição chilena. “O resultado ganha mais relevância porque o povo optou por uma convenção constitucional exclusiva e decidiu que a assembleia será paritária - com igual quantidade de mulheres e homens. As mulheres estiveram à frente da luta e sempre exigiram: Até que a dignidade se torne costume”, postou. 

 Confira as postagens de Dilma Rousseff sobre o assunto.  

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email