Discurso anti-islã vira tabu na Noruega

Ataques de extremista cristo elevam em 40% apoio ao primeiro-ministro Jens Stoltenberg (foto) . Populao se diz mais a favor de um Pas multi-tnico desde os atentados de 22 de julho

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 com agências internacionais – Os duplos ataques na Noruega que chocaram o mundo teve um efeito direto na política norueguesa. O apoio ao primeiro-ministro Jens Stoltenberg, do Partido do Trabalho, alvo de Anders Behring Breivik em 22 de julho, subiu para mais de 40%, de acordo com duas pesquisas da última semana. Se a votação fosse realizada hoje, esse seria o melhor resultado desde a eleição de 1985. A aprovação da forma com que Stoltenberg tem lidado com a crise está em mais de 90%. "É a primeira vez na Noruega que a classificação de popularidade de um político eleito é maior do que o rei", disse Frank Aarebrot, professor de política da Universidade de Bergen, em entrevista à Bloomberg.

O governo de Stoltenberg defende a linha da tolerância e da integração da população imigrante. Isso foi, segundo o manifesto escrito por Breivik, um dos motivos que levou o extremista organizar os ataques. Enquanto a social-democracia sobe em popularidade, o partido Progressista, da extrema-direita, sofre com uma crise de identidade. O segundo maior grupo do Parlamento está sendo estigmatizado por defender algumas das ideias do autor dos atentados. Breivik, inclusive, foi membro do partido até 2006. « Eles vão tentar manter um perfil baixo sobre a imigração e as ameaças dos muçulmanos », disse à Bloomberg Anders Todal Jenssen, professor de ciências políticas da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia. « Se os ataques não tivessem acontecido, o tema teria um grande destaque no discurso », completou.

Desde os assassinatos, mais noruegueses se dizem a favor do multiculturalismo, de acordo a pesquisa InFact AS publicada pela Verdens Gang – 26% dos entrevistados disseram que estavão mais positivos em relação a uma Noruega multi-étnica do que antes, 9% estão mais pessimistas e 49% disseram que não mudaram de opinião.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email