Em Beirute, manifestação em frente ao Parlamento termina em confronto e deixa feridos

A polícia local tentou, sem sucesso, retirar do local os manifestantes. Alguns presentes no protesto arremessaram pedras contra a polícia, que, por sua vez, lançou gás lacrimogêneo na multidão

Beirute, Líbano
Beirute, Líbano (Foto: REUTERS/Thaier Al-Sudani)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - Milhares de pessoas se reuniram neste sábado (8) em frente ao Parlamento de Beirute para protestar contra o governo, ato que rapidamente acabou em confronto entre os manifestantes e polícia.

As forças de segurança tentaram, sem sucesso, retirar do local os manifestantes. Alguns presentes no protesto arremessaram pedras contra a polícia, que, por sua vez, lançou gás lacrimogêneo na multidão. 

Mais de 15 ambulâncias foram até o local do protesto. Os informes iniciais da Cruz Vermelha indicam que cerca de 109 pessoas ficaram feridas, sendo que 22 delas tiveram que ser hospitalizadas, enquanto as outras foram tratadas no local. 

Mortos por explosão chegam a 158

Os manifestantes pedem a renúncia do governo libanês e reformas no país. A insatisfação cresceu após a explosão no porto de Beirute da última terça-feira (4), que, segundo as autoridades, foi causada por toneladas de nitrato de amônio armazenadas impropriamente no local. Segundo o último boletim o Ministério da Saúde do Líbano, a tragédia deixou pelo menos 158 mortos e cerca de 6.000 feridos. 

Além disso, dezenas de casas e automóveis foram danificados. Aproximadamente 300.000 pessoas ficaram desalojadas. 

A multidão reunida na principal praça de Beirute neste sábado (8) acusa o governo de negligência e culpa as autoridades pelo ocorrido. Os manifestantes fizeram representaram forcas no ato, onde enforcaram simbolicamente os governantes libaneses. 

O protesto de hoje é o maior desde a explosão. Os manifestantes planejavam realizar um funeral simbólico das vítimas fatais. Próximo ao Parlamento, algumas pessoas tentaram pular barreiras e entrar no local. Mais tarde, um caminhão que fazia parte de uma barricada foi incendiado. 

O Exército emitiu um comunicado pedindo que os manifestantes mantenham a calma e não bloqueiem ruas e ataquem propriedade privada. A polícia, por sua vez, pediu para as pessoas protestarem de "maneira civilizada". 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247