Em editorial, Le Monde, da França, diz que eleição de Lula é "alívio global"

Jornal francês destacou o governo desastroso de Jair Bolsonaro e os desafios que Lula terá pela frente

www.brasil247.com - Luiz Inácio Lula da Silva
Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Reprodução | Ricardo Stuckert)


247 - O jornal francês Le Monde, em editorial publicado nesta segunda-feira (31), classifica a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para a Presidência do Brasil como um "alívio global".

O periódico destaca o governo desastroso de Jair Bolsonaro (PL) e diz que cabe a ele uma última tarefa: reconhecer o resultado das urnas. "A democracia falou no Brasil. No domingo, 30 de outubro, ela demitiu o atual presidente Jair Bolsonaro após um mandato de alvoroço e fúria exemplificado pelo tratamento abismal da pandemia de Covid-19, o saque da Amazônia, ataques à democracia e um fluxo constante de declarações racistas, sexistas e homofóbicas. Resta agora a este líder de extrema-direita, calado na noite das eleições, uma última obrigação para com o seu país: reconhecer publicamente a sua derrota e preparar-se para uma alternância pacífica no topo do Estado".

>>> "Brasil expulsa Bolsonaro e traz Lula de volta": imprensa internacional destaca vitória do "campeão da esquerda brasileira"

"Quanto mais cedo melhor, o homem que muitas vezes foi comparado ao ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não deve imitá-lo uma última vez, lançando-se em um desafio aos resultados que colocariam as instituições à prova. . O tempo para uma campanha deletéria e particularmente virulenta já passou. Agora é a vez dos desafios que aguardam o vencedor, Luiz Inácio Lula da Silva", complementa.

A eleição deste domingo, segundo o texto, foi "uma das voltas ao poder mais espetaculares já feitas em um poder do tamanho do Brasil".

O jornal destaca a dificuldade que Lula terá para encarar um país quebrado pelo bolsonarismo e com representantes desta corrente em setores do poder político. "Essa ultrapassagem foi, sem dúvida, essencial, mas não impediu o enraizamento de um populismo agressivo e a transição do bolsonarismo militante para o bolsonarismo institucional, o que se confirma neste segundo turno da eleição. Enquanto a campanha presidencial destacou a vulnerabilidade do país às inverdades veiculadas pelas redes sociais e a influência de pastores evangélicos ultraconservadores, esse bolsonarismo já está presente em vigor no Congresso do Brasil, assim como em muitos estados do gigante sul-americano, começando pela mais rica, a de São Paulo, que agora será comandada por um ex-ministro do presidente derrotado".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247