Em setembro, Eduardo chamou líder golpista para tratar de adesão da Bolívia ao Mercosul

Matéria de Hugo Souza mostra os laços que se aprofundaram nos últimos anos entre os golpistas bolivianos e o governo Bolsonaro

Eduardo Bolsonaro e Luis Fernando Camacho
Eduardo Bolsonaro e Luis Fernando Camacho
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Hugo Souza (Come Ananás) - Exatos dois meses antes da consumação do golpe civil-militar na Bolívia, o deputado Eduardo Bolsonaro apresentou um requerimento na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), da qual é presidente, para realização de audiência pública sobre o protocolo de adesão da Bolívia ao Mercosul. No requerimento, feito no dia 10 de setembro, Eduardo e Marcel Van Hattem, do Novo, propõem convites a cinco representantes da Bolívia para participarem da audiência, todos eles opositores do governo boliviano então constituído.

A lista é encabeçada precisamente pelo “professor e advogado” Luis Fernando Camacho. Camacho é presidente do fascista Comité Cívico pro Santa Cruz e é considerado o líder civil do violento golpe contra o governo de Evo Morales na Bolívia. Enquanto a polícia e o exército promovem uma caçada a Evo Morales em Cochabamba, Luis Fernando Camacho se esgoela na capital: “pegarão ele! Justiça!”.

Além de Camacho, Eduardo Bolsonaro aprovou na comissão convites a Primitivo Montaño, líder indígena boliviano que foi dirigente provincial do MAS, mas se tornou ferrenho opositor a Evo Morales; à “ativista social” María Anelin Suárez (em suas redes sociais, ela se apresenta como “ativista política internacional contra as políticas de esquerda”); e a David Sejas Lopez, boliviano “exilado” no Brasil, ex-dirigente da radical Unión Juvenil Cruceñista e um antecessor de Camacho na presidência do Comité Cívico pro Santa Cruz.

‘Evoleco’

No fim do ano passado, María Anelin Suárez fez barulho na Bolívia com uma greve de fome contra a decisão do judiciário boliviano de permitir a Evo Morales disputar um quarto mandato. Um ano antes, no fim de 2017, María Anelin Suárez e Carla Zambelli apareceram em um vídeo que repercutiu bastante na Bolívia, chamado “Bolsonaro dá recado a Evo Morales caso ganhe eleição em 2018”.

Leia na íntegra no Come Ananás

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247