Em três dias, confrontos no Iêmen somam 60 mortos

Conflito entre opositores e seguidores do ditador do Imen, Ali Abdullah Saleh, chega aos bairros chiques da capital Sanaa. No terceiro dia, nove manifestantes desarmados foram assassinados pelas tropas do governo.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A intensificação dos confrontos de rua entre oponentes do governo do Iêmen e forças leais do regime do presidente Ali Abdullah Saleh se espalharam por bairros habitados por importantes figuras do governo e outras áreas sensíveis da capital Sanaa nesta terça-feira.

No terceiro dia de distúrbios, no qual houve um ataque com morteiros contra manifestantes desarmados, nove pessoas morreram informaram profissionais da área médica.

As últimas mortes elevaram para pelo menos 60 o número de pessoas assassinadas desde domingo, quando manifestantes contrários ao governo intensificaram sua campanha para derrubar Saleh.

Em Genebra, a Organização das Nações Unidas (ONU) disse nesta terça-feira que quatro crianças foram mortas por disparos durante manifestações no domingo e na segunda-feira. Marixie Mercado, porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), outros 18 menores também ficaram feridos.

Os distúrbios no Iêmen tiveram início em fevereiro quando levantes que se espalharam pelo mundo árabe deram início a protestos, na maioria pacíficos, em países pobres e instáveis da península árabe, que também abriga grupos ligados à Al-Qaeda. Os governos responderam com pesada repressão contra os manifestantes.

Saleh foi para a Arábia Saudita receber tratamento médico após um ataque em junho contra seu palácio em Sanaa e não deve voltar ao país, mas os iemenitas pedem sua renúncia.

Após as orações da manhã nesta terça-feira, forças do governo dispararam morteiros contra a Praça da Mudança (antiga Praça Pérola), local no coração da cidade onde manifestantes realizam protestos desde o início do levante em fevereiro.

Segundo funcionários da área médica, que falaram em condição de anonimato, os ataques mataram três manifestantes, três soldados rebeldes e uma pessoa que passava pelo local. Confrontos entre manifestantes e forças de segurança na cidade de Taiz, no sul, deixaram mais dois mortos.

Em outros locais da capital ocorreram distúrbios envolvendo manifestantes e forças de segurança e disparos foram ouvidos em áreas próximas da residência de Saleh e do escritório de seu filho, Ahmed, comandante das Guardas Republicanas e Forças Especiais.

No bairro nobre de Hadah, onde residem altos funcionários do governo assim como líderes tribais que se opõem a Saleh, ocorreram confrontos entre forças leais ao filho do presidente e grupos de combatentes tribais que se opõem ao regime.

As informações são da Associated Press.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247