Entrevista do Consulado Geral da República Popular da China em São Paulo sobre a visita de Nancy Pelosi a região Taiwan da China

Órgão informa que “a China tomará medidas resolutas e fortes para defender a soberania nacional”



1. Segundo as fontes da mídia, a Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, visitou a região Taiwan da China. Como a China vê isso?

Pelosi é a atual Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA e a terceira figura política mais alta dos EUA. A sua visita à região Taiwan da China, sob qualquer forma, por qualquer razão e em qualquer momento durante o seu mandato constitui uma violação severa do compromisso do governo dos EUA com a política de Uma Só China, uma grande provocação política para escalar os intercâmbios oficiais e as relações substantivas entre os EUA e a região Taiwan da China, e sinaliza conivência e apoio às forças separatistas da "independência de Taiwan". A China opõe-se firmemente e condena veementemente isso, e já fez as representações severas e protestos fortes contra os EUA.

Recentemente, a China tem deixado claro aos EUA em várias ocasiões a sua firme oposição e solene posição, destacando que a sua visita à região Taiwan da China causará graves consequências. O Presidente Xi Jinping, durante a sua conversa telefônica recente com o Presidente Biden, salientou que a posição do governo chinês e do povo chinês sobre a questão de Taiwan tem sido consistente. A defesa da soberania nacional e integridade territorial é a vontade firme de mais de 1,4 bilhão do povo chinês. A vontade do povo não deve ser desafiada e aqueles que brinquem com fogo acabarão por se queimar. Os EUA devem ter entendido plenamente a mensagem forte e clara transmitida pela China.

A visita à região Taiwan da China de Pelosi é uma interferência grosseira nos assuntos internos da China, mina gravemente a soberania e a integridade territorial da China, atropela arbitrariamente o princípio de Uma Só China, ameaça severamente a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan, e causará danos severos às relações China-EUA, o que levará a consequências muito graves. A China tomará medidas resolutas e fortes para defender a soberania nacional e a integridade territorial, e todas as consequências daí decorrentes serão da exclusiva responsabilidade do lado norte-americano e das forças separatistas da "independência de Taiwan".

2. Qual é a história da questão de Taiwan?

Existe apenas uma China no mundo. Taiwan é uma parte inalienável do território chinês. Taiwan é uma província da China. O Governo da República Popular da China é o único governo legítimo que representa toda a China. Isso é o conteúdo central do princípio de Uma Só China, que se tornou consenso e norma básica das relações internacionais. Em 25 de Outubro de 1971, em sua 26ª Sessão, a Assembleia Geral da ONU adotou a Resolução 2758 por uma maioria esmagadora, decidindo “restaurar todos os direitos da República Popular da China e reconhecer os representantes do seu governo como os únicos representantes legítimos da China na ONU, e expulsar imediatamente os representantes de Chiang Kai-shek do local o qual eles ocuparam ilegalmente na ONU e em todos os órgãos a ela ligados". Atualmente, a China já estabeleceu relações diplomáticas com 181 países do mundo inteiro com base no reconhecimento do princípio de Uma Só China. 

3. No momento, a situação no Estreito de Taiwan é complexa e severa. Qual é a maior ameaça à paz e à estabilidade no local? Como se pode evitar a crise?

A razão fundamental da atual tensão no Estreito de Taiwan reside na alteração repetida do status quo pelas autoridades de Taiwan e pelos EUA. As autoridades de Taiwan procuram a independência contando com o apoio dos EUA, recusam a reconhecer o Consenso de 1992, praticam a desinicização e promovem "a independência incremental". Os EUA, por sua vez, vêm tentando usar Taiwan para conter a China, inventam “duas Chinas” ou “China e Taiwan”, distorcem, obscurecem e esvaziam o princípio de Uma Só China, espalham a teoria de que “o estatuto de Taiwan é indeterminado” na comunidade internacional, intensificam os intercâmbios oficiais com Taiwan e respaldam as atividades secessionistas da "independência de Taiwan". 

Umas pessoas nos EUA não param de provocar especulações da chamada ameaça militar chinesa na questão de Taiwan, o que de fato é arranjar pretextos para os EUA aumentarem as suas próprias despesas militares, expandirem o seu poder militar, interferirem nos assuntos da Ásia-Pacífico e assim criarem uma “versão asiática da OTAN”. A partir deste ano, os navios de guerra norte-americanos atravessaram o Estreito de Taiwan uma vez por mês em média, efetuando uma detecção opressiva e uma pressão provocadora de ampla esfera e alta frequência sobre a China. Além disso, os EUA anunciaram repetidamente a venda de armas no valor de centenas de milhões de dólares a Taiwan, veio repetidamente a reunir países da OTAN para mostrar a sua força e provocar problemas no Estreito de Taiwan, numa tentativa de alterar o status quo da questão de Taiwan e empurrar Taiwan para uma situação perigosa. É isso a maior ameaça à paz e à estabilidade no Estreito de Taiwan. A China exorta os EUA a parar de jogar às "cartas de Taiwan" e de usar Taiwan para conter a China, parar de se intrometer nos assuntos de Taiwan e interferir nos assuntos internos da China, parar de apoiar e ser conivente com as forças separatistas da "independência de Taiwan" em qualquer forma, parar de distorcer, obscurecer e esvaziar o princípio de Uma Só China e salvaguardar com ações concretas o cenário integral das relações EUA-China e a paz e estabilidade no Estreito de Taiwan.

Vale salientar que a questão de Taiwan diz respeito a interesse central da China e não permite qualquer interferência das forças estrangeiras. O futuro e a esperança de Taiwan residem no desenvolvimento pacífico das relações entre os dois lados do Estreito. A reunificação nacional da China é o desejo do povo e uma tendência histórica que ninguém consegue impedir. A China está determinada a promover um desenvolvimento pacífico, defendendo resolutamente a soberania nacional e a integridade territorial.

O princípio de Uma Só China é uma norma fundamental nas relações internacionais. O governo brasileiro tem um compromisso de longa data com a política de Uma Só China, pelo qual a China aprecia muito. Acreditamos que os brasileiros de todos os setores permanecerão altamente vigilantes contra palavras e ações que violem o princípio de Uma Só China, não darão nenhuma oportunidade de manobras às forças da "independência de Taiwan", e darão compreensão e apoio à China , como sempre, na reunificação da China.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247