Estados Unidos acusam China, Rússia, França e Reino Unido de abdicar da luta contra o Irã

Os Estados Unidos acusaram a China e seus aliados Reino Unido e França de "abdicar de seu dever" no combate ao Irã. Os EUA continuam solitários na pressão para sustentar o embargo de armas e restaurar sanções mais fortes contra o Irã

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Não precisamos da permissão de ninguém para iniciar o snapback", disse aos repórteres Brian Hook, o representante especial dos EUA para o Irã, referindo-se ao mecanismo ativado por Washington para restaurar as sanções contra Teerã. "O Irã está violando seus compromissos nucleares voluntários. Estão dadas as condições para iniciar o processo de snapback."

Hook afirmou que os outros membros do Conselho de Segurança falharam na semana passada ao não estenderem o embargo de armas contra o Irã, que está prestes a expirar. "China, Rússia, França e Reino Unido decidiram ignorar as opiniões do Conselho de Cooperação do Golfo", que havia pedido as sanções, disse ele.

"Estes são os países mais próximos do perigo, e o conselho tinha a responsabilidade de respeitar suas opiniões para estender o embargo de armas", acrescentou Hook, classificando como "decepcionante a abdicação de seu dever".

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, começou na quarta-feira (20), a reimposição de amplas sanções econômicas e políticas contra o Irã, que datam de 2006. Essas sanções foram suspensas sob o acordo alcançado com Teerã em 2015, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global, que visa barrar a capacidade de Teerã de desenvolver armas nucleares, informa o UOL.

Os Estados Unidos abandonaram o acordo em 2018, mas, em uma decisão polêmica, afirmam ter o direito de forçar a reimposição das sanções por meio do mecanismo de "snapback".

França, Reino Unido e Alemanha rejeitaram na quinta-feira a utilização deste recurso, pois o consideram "incompatível" com o apoio que atualmente dão ao acordo com o Irã. Eles disseram que as ações norte-americanas podem ter "sérias consequências nocivas" para o trabalho do Conselho de Segurança.

No entanto, Hook declarou que o mecanismo está ativado e comentários de outras nações não poderiam bloqueá-lo. "O Conselho de Segurança, ao final de 30 dias, terá todas as sanções da ONU restauradas".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email