Estados Unidos acusam China, Rússia, França e Reino Unido de abdicar da luta contra o Irã

Os Estados Unidos acusaram a China e seus aliados Reino Unido e França de "abdicar de seu dever" no combate ao Irã. Os EUA continuam solitários na pressão para sustentar o embargo de armas e restaurar sanções mais fortes contra o Irã

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Não precisamos da permissão de ninguém para iniciar o snapback", disse aos repórteres Brian Hook, o representante especial dos EUA para o Irã, referindo-se ao mecanismo ativado por Washington para restaurar as sanções contra Teerã. "O Irã está violando seus compromissos nucleares voluntários. Estão dadas as condições para iniciar o processo de snapback."

Hook afirmou que os outros membros do Conselho de Segurança falharam na semana passada ao não estenderem o embargo de armas contra o Irã, que está prestes a expirar. "China, Rússia, França e Reino Unido decidiram ignorar as opiniões do Conselho de Cooperação do Golfo", que havia pedido as sanções, disse ele.

"Estes são os países mais próximos do perigo, e o conselho tinha a responsabilidade de respeitar suas opiniões para estender o embargo de armas", acrescentou Hook, classificando como "decepcionante a abdicação de seu dever".

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, começou na quarta-feira (20), a reimposição de amplas sanções econômicas e políticas contra o Irã, que datam de 2006. Essas sanções foram suspensas sob o acordo alcançado com Teerã em 2015, conhecido como Plano de Ação Conjunto Global, que visa barrar a capacidade de Teerã de desenvolver armas nucleares, informa o UOL.

Os Estados Unidos abandonaram o acordo em 2018, mas, em uma decisão polêmica, afirmam ter o direito de forçar a reimposição das sanções por meio do mecanismo de "snapback".

França, Reino Unido e Alemanha rejeitaram na quinta-feira a utilização deste recurso, pois o consideram "incompatível" com o apoio que atualmente dão ao acordo com o Irã. Eles disseram que as ações norte-americanas podem ter "sérias consequências nocivas" para o trabalho do Conselho de Segurança.

No entanto, Hook declarou que o mecanismo está ativado e comentários de outras nações não poderiam bloqueá-lo. "O Conselho de Segurança, ao final de 30 dias, terá todas as sanções da ONU restauradas".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247