CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Mundo

Estados Unidos fazem campanha contra admissão da Palestina como membro permanente da ONU

Apesar da retórica de Biden de apoio a uma solução de dois Estados, Casa Branca argumenta que a Palestina não deveria receber status de membro da ONU

Joe Biden e Gaza destruída por bobardeios de Israel (Foto: Reuters)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Às vésperas de uma votação do Conselho de Segurança das Nações Unidas para considerar a admissão da Palestina como um membro pleno do órgão internacional, os Estados Unidos estão fazendo lobby junto às nações para rejeitar tal adesão, na esperança de evitar um "veto" explícito de Washington. O esforço de lobby, revelado em cópias de mensagens do Departamento de Estado não classificados obtidos pelo The Intercept, está em desacordo com o compromisso da administração Biden de apoiar plenamente uma solução de dois Estados.

Em 2012, a Assembleia Geral da ONU aprovou uma resolução concedendo à Palestina o status de estado observador não membro.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

As mensagens diplomáticas detalham a pressão sendo aplicada aos membros do Conselho de Segurança, incluindo Malta, o presidente rotativo do conselho neste mês. O Equador em particular está sendo solicitado a fazer lobby junto a Malta e outras nações, incluindo a França, para se opor ao reconhecimento da Palestina na ONU. A justificativa do Departamento de Estado é que a normalização das relações entre Israel e os países árabes é o caminho mais rápido e eficaz para alcançar um estado duradouro e produtivo.

Embora esclarecendo que o presidente Joe Biden trabalhou vigorosamente para apoiar "aspirações palestinas ao Estado" no contexto "de uma paz abrangente que resolveria o conflito israelense-palestino", uma mensagem diplomática datada de 12 de abril detalha os argumentos dos EUA contra um voto da ONU para a criação de um Estado palestino. A mensagem diz que os membros do Conselho de Segurança devem ser persuadidos a rejeitar qualquer proposta de Estado palestino - e, portanto, seu reconhecimento como nação soberana - antes do debate aberto do conselho sobre o Oriente Médio, agendado para 18 de abril.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

“Permanece a visão dos EUA de que o caminho mais rápido para um horizonte político para o povo palestino está no contexto de um acordo de normalização entre Israel e seus vizinhos”, diz o cabo. “Acreditamos que essa abordagem pode avançar tangivelmente os objetivos palestinos de maneira significativa e duradoura.”

“Portanto, instamos vocês a não apoiar qualquer resolução potencial do Conselho de Segurança recomendando a admissão da ‘Palestina’ como estado membro da ONU, caso tal resolução seja apresentada ao Conselho de Segurança para uma decisão nos próximos dias e semanas.”

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO