Estratégias de agressão dos EUA fracassaram, diz chanceler venezuelano

Jorge Arreaza respondeu a uma mensagem publicada pelo secretário de Estado, MikePompeo, na qual destacou que o Departamento de Estado trabalhou para construir uma coalizão de mais de 60 países contra o governo de Nicolás Maduro

Jorge Arreaza
Jorge Arreaza (Foto: REUTERS/Manaure Quintero)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, declarou nesta segunda-feira (4) que as estratégias de agressão dos EUA contra o país sul-americano fracassaram.

O ministro venezuelano respondeu a uma mensagem publicada pelo secretário de Estado, MikePompeo, na qual destacou que o Departamento de Estado trabalhou para construir uma coalizão de mais de 60 países contra o governo de Nicolás Maduro e a favor da oposição Juan Guaidó.

"As estratégias de pressão e agressão de Donald Trump e Mike Pompeo, como sanções ilegais contra o povo venezuelano, golpes, governo fictício, extorsão internacional, operações com mercenários, entre outros, fracassaram miseravelmente", afirmou o chanceler.

Em dezembro, Pompeo garantiu que os Estados Unidos continuariam apoiando Guaidó e a Assembleia Nacional que ele presidiu. Guaidó e um grupo de parlamentares aprovaram a reforma do estatuto de transição da Assembleia Nacional para prorrogar seu mandato por mais um ano.

O Supremo Tribunal de Justiça declarou nula a reforma, alegando que a medida não teria efeitos jurídicos, anulando também qualquer ação que pudesse ser realizada pelos deputados da diretoria do parlamento.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email