Estupro coletivo de fotojornalista choca Mumbai

Ataque ocorrido na quinta-feira à noite provocou protestos e um clamor nas redes sociais, com muitos usuários chocados com o que aconteceu na cidade da Índia, amplamente considerada como a mais segura do país para as mulheres; caso confirmado hoje pela polícia despertou comparações com um ocorrido em Nova Délhi, em dezembro, que levou a protestos em todo o país

Journalists hold placards as they participate in a protest march against the rape of a photo journalist by five men inside an abandoned textile, in Mumbai August 23, 2013. The attack on Thursday night triggered protests and an outcry on social media, with
Journalists hold placards as they participate in a protest march against the rape of a photo journalist by five men inside an abandoned textile, in Mumbai August 23, 2013. The attack on Thursday night triggered protests and an outcry on social media, with (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

MUMBAI, 23 Ago (Reuters) - Uma fotojornalista foi estuprada na cidade indiana de Mumbai, disse a polícia nesta sexta-feira, em um caso que despertou comparações com um ataque semelhante em Nova Délhi, em dezembro, que levou a protestos em todo o país e a uma revisão das leis contra o estupro no país.

O ataque ocorrido na quinta-feira à noite provocou protestos e um clamor nas redes sociais, com muitos usuários chocados que tenha acontecido em Mumbai, amplamente considerada como a cidade mais segura da Índia para as mulheres.

Um homem foi preso nesta sexta-feira e 20 equipes policiais estavam perseguindo quatro homens que foram identificados, disse o comissário de polícia de Mumbai, Satyapal Singh.

"A polícia de Mumbai fará o seu melhor para coletar todas as evidências, provas cabais, evidências científicas, para que um caso à prova de falhas seja levado ao tribunal, e que eles recebam pena máxima", disse Singh. "Também vamos solicitar ao governo que este caso seja levado a uma corte rápida."

No Senado, parlamentares da oposição acusaram o governo de não fazer o suficiente para proteger as mulheres, apesar das duras leis de combate ao crimes sexuais promulgadas neste ano.

A vítima, de vinte e poucos anos, foi internada em um hospital no sul de Mumbai, onde estava em condição estável, disse um funcionário do hospital à Reuters por email.

O ataque ocorreu pouco antes do pôr do sol em uma fábrica têxtil abandonada em Lower Parel, um antigo distrito industrial que é hoje um dos bairros que mais crescem na cidade, com apartamentos de luxo, shoppings e bares.

A mulher estava na fábrica trabalhando em uma reportagem com um colega do sexo masculino. Os dois foram separados pelos agressores e o colega da fotojornalista foi amarrado com um cinto enquanto ela era agredida, disse Singh.

A segurança das mulheres na Índia tem sido o centro das atenções este ano, após o brutal estupro coletivo em dezembro de uma estudante de 23 anos dentro de um ônibus, em Nova Délhi, o que levou milhares de indianos a ir às ruas em protesto. A mulher morreu duas semanas depois, em consequência dos ferimentos, em um hospital de Cingapura.

Após o clamor público sobre o ataque em Délhi, a Índia introduziu em março leis mais duras contra estupro, que incluem a pena de morte para os reincidentes e para aqueles cujas vítimas forem deixadas em um "estado vegetativo".

(Reportagem de Aradhana Aravindan)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email