EUA cogitam enviar forças especiais para Síria

O governo do presidente Barack Obama, que se aproxima da reta final de seu mandato, está sob pressão para aumentar o esforço dos Estados Unidos, especialmente após a queda da cidade iraquiana de Ramadi para o Estado Islâmico e o fracasso de um programa militar dos EUA para treinar e armar milhares de rebeldes sírios

Presidente dos EUA, Barack Obama, durante discurso à União Africana, em Adis Abeba, capital da Etiópia. 28/07/2015 REUTERS/Jonathan Ernst
Presidente dos EUA, Barack Obama, durante discurso à União Africana, em Adis Abeba, capital da Etiópia. 28/07/2015 REUTERS/Jonathan Ernst (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos estão considerando o envio de um pequeno número de forças de operações especiais para a Síria e de helicópteros de ataque ao Iraque, à medida que avaliam opções para ampliar a batalha contra o Estado Islâmico, disseram autoridades dos EUA na terça-feira.

O governo do presidente Barack Obama, que se aproxima da reta final de seu mandato, está sob pressão para aumentar o esforço dos Estados Unidos, especialmente após a queda da cidade iraquiana de Ramadi para o Estado Islâmico e o fracasso de um programa militar dos EUA para treinar e armar milhares de rebeldes sírios.

Duas autoridades norte-americanas, que falaram à Reuters sob condição de anonimato para discutir deliberações em curso, disseram que qualquer envio de tropas seria cuidadosamente calculado, buscando avanços específicos e objetivos militares limitados no Iraque e Síria.

Essa opção inclui a utilização temporária de forças de operações especiais dos EUA dentro da Síria para aconselhar os combatentes da oposição síria moderada pela primeira vez e, possivelmente, para ajudar a direcionar ataques aéreos norte-americanos, disse uma autoridade.

Outra possibilidade inclui o envio ao Iraque de um pequeno número de helicópteros de ataque Apache, junto com as forças dos EUA para operá-los, como o objetivo de recuperar território do Estado Islâmico.

(Reportagem de Phil Stewart e Jeff Mason)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247