EUA-Cuba: Brasil teve “participação importante”

Embaixador brasileiro em Cuba, Cesário Melantonio conta não ter sido pego de surpresa com o anúncio, mas admite que o fato era esperado para o ano que vem; "Mas esse tipo de operação só funciona se houver segredo", afirma; segundo ele, além do Porto de Mariel, financiado pelo BNDES, "serão construídos mais dois em locais ainda não definidos"; "Essa é a estratégia [do Brasil] para atrair empresas", ressalta

Cesario Melantonio Neto (REP. Brasileiro para Assuntos do Oriente Médio - MRE), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional – CREDN
Cesario Melantonio Neto (REP. Brasileiro para Assuntos do Oriente Médio - MRE), Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional – CREDN (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Há um ano representando o Brasil em Havana, o embaixador Cesário Melantonio não revela detalhes, mas assegura que o País teve uma "participação importante" na aproximação entre Estados Unidos e Cuba. Ele diz, em entrevista ao Estadão neste domingo 21, não ter sido pego de surpresa com o anúncio, mas admite que ele era esperado para 2015. "Mas esse tipo de operação só funciona se houver segredo", avalia.

Questionado se incomoda a crítica de que o Brasil não foi protagonista no episódio, respondeu: "Não, porque isso é totalmente falso. Não vou entrar em detalhes, mas o Brasil teve uma participação importante nesse processo, e não é de hoje. O Brasil nunca participou como moderador, como foram o Vaticano e o Canadá. Mas vem facilitando esse tipo de contato. Não é verdade que o País não usou seu peso".

O investimento no Porto de Mariel, com financiamento do BNDES, foi uma das maneiras de o Brasil fortalecer a reaproximação, segundo Melantonio. Ele afirma não "excluir", nem "negar" a leitura ideológica na presença do Brasil na ilha. Em sua avaliação, a aproximação é sinal de que o governo Obama resolveu dar mais atenção à América Latina. O país estava isolado na América Latina e na do Norte, diz ele.

Ao falar sobre o mercado cubano, afirma que "são importantes as possibilidades de usar o Porto de Mariel, o primeiro de três que serão zonas exclusivas, com benefícios fiscais. Serão construídos mais dois em locais ainda não definidos. A ideia é usar Cuba como trampolim para reexportação. Essa é a estratégia para atrair empresas. Antes dessa aproximação com os EUA, Mariel tinha dimensão menor".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247