EUA e Alemanha criticam saída de Reino Unido da União Europeia

Premiê britânico, David Cameron, propôs a realização de referendo sobre a participação do reinado no bloco; pesquisas recentes indicam que grande parte dos britânicos é favorável à separação

EUA e Alemanha criticam saída de Reino Unido da União Europeia
EUA e Alemanha criticam saída de Reino Unido da União Europeia (Foto: HANDOUT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Opera Mundi - Os Estados Unidos alertaram o governo britânico sobre as possíveis consequências de um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia. A Casa Branca teme que seu principal aliado europeu dê início a uma política isolacionista, o que é contrário aos interesses norte-americanos.
A advertência foi realizada por Philip Gordon, vice-ministro de Assuntos Europeus da administração de Barack Obama, durante uma entrevista coletiva na noite desta quarta-feira (09/01) na embaixada dos EUA em Londres.

Depois de ter se encontrado com autoridades britânicas, o oficial pediu para o Reino Unido aumentar o seu poder no bloco ao invés de se afastar da integração regional. “Nós temos uma relação crescente com a União Europeia como uma instituição que tem cada vez mais voz no mundo, e nós queremos ver uma voz britânica forte”, afirmou Gordon.

Mesmo reconhecendo a necessidade de discutir dentro de uma organização aglutinadora, o oficial norte-americano alertou para o perigo de a votação acender um debate interno entre os europeus. “É melhor para todos quando os líderes têm tempo para focar em desafios comuns” e não, em temas específicos.
“Cada hora dispendida no debate institucional sobre a estrutura da União Europeia é uma hora a menos gasta em como lidar com os problemas comuns de emprego, de crescimento e de paz internacional em todo o mundo”, disse o diplomata.

Apesar de ter afirmado que não quer influenciar os assuntos internos da administração do reinado, o representante da Casa Branca deixou claro quais são os interesses dos EUA e apelou para os aliados britânicos não deixaram o grupo político.

“Saudamos uma União Europeia voltada para os assuntos externos com o Reino Unido dentro do bloco”, disse ele. “Esse é o interesse norte-americano”.

Para jornais britânicos, a declaração de Gordon pode ser uma mensagem ao governo conservador de David Cameron de que a “relação especial” entre os países pode se deteriorar duramente com a mudança de status do Reino Unido no bloco regional.

Foi a primeira vez que o governo norte-americano se pronunciou publicamente sobre o caso. No entanto, na semana passada, o presidente Obama advertiu o premiê britânico em uma reunião privada.

Críticas: Reino Unido chantageando bloco?

Outros parceiros internacionais também criticaram a proposta de Cameron e uma possível saída britânica da União Europeia. O premiê irlandês, Enda Keny, descreveu que a situação de “desastrosa” e o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, pediu para o reinado continuar membro “ativo e de liderança”.

O governo de Angela Merkel foi mais duro na sua avaliação. “Certamente, existe o risco de o referendo paralisar os esforços para melhorar a Europa e aprofundar a integração. O Reino Unido pode ficar isolado e isso não pode ser de seu próprio interesse”, afirmou Gunther Krichbaum que do comitê alemão de assuntos europeus.

O oficial criticou a possibilidade, indicada por muitos, das autoridades britânicas ameaçarem bloquear as medidas que fortalecem o euro se não conseguirem aprovar as reformas que quer. “Não podemos criar um futuro político se você está chantageando os outros estados. Isso não vai ajudar o Reino Unido, que precisa também de uma Europa estável”, disse ele.

Referendo proposto

A proposta do referendo sobre a permanência do país na União Europeia foi feita por Cameron no início deste mês em uma entrevista a rádio BBC 5. De acordo com o primeiro-ministro, os britânicos têm o direito de opinar sobre o relacionamento do reinado com a Europa frente às mudanças que o bloco pretende realizar para fortalecer o euro. Entre tais medidas está a criação de um supervisor bancário único.

Ainda neste mês de janeiro, o premiê se pronunciará sobre a votação proposta para dar mais detalhes. De acordo com o Guardian, Cameron deve afirmar que se ele for eleito em 2015, vai revisar o acordo da União Europeia para promover novos arranjos de governança e repatriar poderes.

Além da possibilidade de saída do bloco, propostas de novos termos de participação do Reino Unido serão colocadas em votação no referendo. Pesquisas de opinião públicas recentes indicam que grande parte dos britânicos é favorável à saída do reinado do grupo regional.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email