HOME > Mundo

EUA e aliados planejam mais sanções contra o Irã

Governo israelense se reúne novamente nesta quarta para decidir se vai atacar militarmente o Irã

Presidentes Joe Biden, dos EUA (à esq.), e Ebrahim Raisi (Irã) mais as bandeiras norte-americana (à esq.) e iraniana ao fundo (Foto: Divulgação )

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Reuters - Os Estados Unidos e seus aliados planejam impor novas sanções contra o Irã devido ao ataque realizado no último sábado (13) contra Israel, ao mesmo tempo em que buscam Israel de uma maior escalada. Enquanto isso, o gabinete de guerra israelese se reúne novamente nesta quarta-feira para decidir sobre uma  resposta contra o Irã.

Embora o ataque da noite de sábado não tenha causado mortes e tenha acarretado pouco dano graças às defesas aéreas e contramedidas de Israel e seus aliados, aumentam os temores de que a violência da guerra que faz contra os palestinos em Gaza se espalhe, com o risco de uma guerra aberta entre os adversários de longa data Irã e Israel.

O chefe do Estado-Maior do Exército de Israel, Herzi Halevi, havia prometido que o lançamento do Irã de mais de 300 mísseis, mísseis de cruzeiro e drones em território israelense "terá uma resposta", mas não deu detalhes.

Uma fonte do governo israelense disse que a sessão do gabinete de guerra marcada para terça-feira foi adiada para quarta-feira. 

Na esperança de afastar Israel de uma retaliação maciça, os Estados Unidos e a Europa sinalizaram um endurecimento das sanções econômicas e políticas contra o Irã.

Os EUA planejam impor novas sanções visando o programa de mísseis e drones do Irã nos próximos dias e esperam que seus aliados façam o mesmo, disse o Conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, em um comunicado na terça-feira.

Anteriormente, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que os EUA usariam sanções e trabalhariam com aliados para continuar interrompendo o que chamou de “atividade maligna e desestabilizadora" do Irã.

Por sua vez, o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, falando em Bruxelas após uma videoconferência de emergência dos ministros das Relações Exteriores da UE, disse que alguns Estados membros pediram a expansão das sanções contra o Irã e que o serviço diplomático do bloco começaria a trabalhar na proposta.

Borrell disse que a proposta expandiria um regime de sanções que visa restringir o fornecimento de drones iranianos para a Rússia para que também inclua o fornecimento de mísseis e também poderia abranger entregas a procuradores iranianos no Oriente Médio.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, disse que está "liderando um ataque diplomático", escrevendo para 32 países pedindo que imponham sanções ao programa de mísseis do Irã e sigam Washington na punição da principal força militar iraniana, os Guardiões da Revolução, como um grupo terrorista.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: