EUA se recusam a confirmar se possuem amostras que comprovam ataque químico em Douma

O Departamento de Estado dos EUA se recusou a afirmar se tem ou não amostras de Douma que comprovam o suposto ataque químico contra civis; "Não posso comentar sobre isso", disse a jornalistas a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, quando perguntada se os EUA têm amostras ou evidências mostrando que armas químicas foram usadas

O Departamento de Estado dos EUA se recusou a afirmar se tem ou não amostras de Douma que comprovam o suposto ataque químico contra civis; "Não posso comentar sobre isso", disse a jornalistas a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, quando perguntada se os EUA têm amostras ou evidências mostrando que armas químicas foram usadas
O Departamento de Estado dos EUA se recusou a afirmar se tem ou não amostras de Douma que comprovam o suposto ataque químico contra civis; "Não posso comentar sobre isso", disse a jornalistas a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, quando perguntada se os EUA têm amostras ou evidências mostrando que armas químicas foram usadas (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O Departamento de Estado dos EUA se recusou a afirmar se tem ou não amostras de Douma que comprovam o suposto ataque químico contra civis.

"Não posso comentar sobre isso", disse a jornalistas a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, quando perguntada se os EUA têm amostras ou evidências mostrando que armas químicas foram usadas.

Os EUA acreditam que sarin foi usado junto com gás cloro no recente ataque à cidade de Douma, nos arredores de Damasco, disse Nauert no briefing.

"Temos informações que nos levam a acreditar que tanto o cloro quanto o sarin foram usados ​​no ataque", disse Nauert.

Fontes do Departamento de Estado dos EUA disseram que a equipe de inspeção da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) ainda não conseguiu entrar na cidade da Douma, na Síria, para conduzir uma investigação independente.

"Nossas fontes, que [nós] consideramos confiáveis, indicam que a equipe ainda não conseguiu entrar na Douma", afirmou Nauert. "Esse é o nosso entendimento da situação a partir de agora."

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse que a alegação de que a Rússia supostamente "bloqueou" a entrada da OPAQ em Douma é inescrupulosa.

Nauert também disse que as sanções contra Moscou "não estão descartadas, nós simplesmente não temos nada para anunciar neste momento". No domingo, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que as sanções eram iminentes, mas a Casa Branca e o Departamento do Tesouro, em última análise, não seguiram adiante.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247